RF deve anunciar o reforço de mais um partido na base governo nos próximos dias
   17 de outubro de 2017   │     22:33  │  0

Renan Filho tira, a partir de sexta-feira, licença do cargo de governador até o próximo dia 30. São dez dias de férias, para aproveitar com a família e “renovar” as energias.

Quem assume o comando de Alagoas no período é o vice-governador Luciano Barbosa, que tocará o estado, assim como nas duas vezes anteriores em que assumiu o governo, dando continuidade as ações do governo – sem qualquer alteração política ou administrativa.

Antes das férias, o governador aproveita viagem de trabalho, iniciada nesta terça-feira, em Brasília, para cuidar de interesses do Estado.

Entre uma audiência e outra, vai aproveitar para tratar de política. Depois de consolidar a volta do PDT á base do governo, Renan Filho deve anunciar em breve o retorno do PT. Em Brasília, ele conversa com lideranças do partido.

“Quero ouvir o PT, saber o que o partido está achando da gestão e avaliar uma participação no nosso governo”, aponta.

A aliança com o PT, de fato, nunca foi totalmente rompida – apesar do afastamento do partido do governo no episódio do impeachment de Dilma Rousseff. “Sempre estivemos próximos e a volta do partido, se for o caso, será natural”, aponta Renan Filho.

Nessa terça-feira, 17, Renan Filho conversou com o ministro dos Transportes, Maurício Quintella, para tratar de obras que estão ou entrarão em execução no estado – incluindo o aeroporto de Maragogi e o viaduto da PRF.

Com o ministro, o governador também analisou o quadro político e deixou aberta a porta para futuros entendimentos.

O governador cumpre agenda semelhante com o ministro do Turismo, Marx Beltrão, com quem deve se encontrar nesta quarta-feira, 18. Lá, trata da obra de duplicação da rodovia de Barra de São Miguel a São Miguel dos Campos, além de conversar sobre política com o ministro

A agenda de Renan Filho em Brasília inclui ainda audiência no Ministério da Saúde, para tratar da construção de hospitais e do SUS, no Ministério da Integração, para acompanhar liberação de recursos para o Canal do Sertão e adutora da Bacia Leiteira.

Tem mais

Depois do PPS, PDT e agora PT, o governador continua está aberto para conversar com outras forças políticas e não descarta trazer novos partidos para a base do governo. Ele não nega que está em busca de novos partidos para seu grupo . Mas prefere manter o “segredo” por enquanto.

COMENTÁRIOS 0

RF cria empresa que vai pilotar investimentos de mais de R$ 400 milhões em AL
     │     10:21  │  1

A nova empresa tem nome e sobrenome e está pronta para sair do papel. A Alagoas Ativos já está em fase de estruturação e vai pilotar, a partir das próximas semanas, os grandes projetos de investimentos que estão sendo tocados ou vão ser realizados no estado por meio de parcerias público privadas.

A empresa já começam comandando projetos que somam investimentos de mais de R$ 400 milhões. E não vai parar por aí. O objetivo do governo é conseguir novos investimentos, a partir da atração de novos investidores.

Para tirar a empresa do papel (o projeto foi apresentado na Assembleia Legislativa de Alagoas em maio deste ano) o governador escolheu um dos quadros mais experientes do governo.

Renan Filho convidou Hélder Lima – e ele aceitou – assumir a presidência da Alagoas Ativos, empresa pública do Estado, que será criada para operar como fundo garantidor do Estado de Alagoas.

Especialista em direito tributário, Lima já foi secretário adjunto da Secretaria da Fazenda e era, até esta segunda-feira, 16, o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo do Estado.

O que é

“O Fundo Garantidor serve para que o Estado coloque em prática as Parcerias Público-Privadas (PPPs) e garante que essas parcerias possam ser executadas em Alagoas”, explicou recententemente Renan Filho, nas suas redes sociais.

A Alagoas Ativos não ficará restrita apenas a gestão do fundo garantidor. A nova empresa deve assumir gestão do programa de concessões que será anunciado, em breve, pelo governo do estado. Qualquer equipamento público pode ser entrar nesse programa – incluindo Centro de Convenções, os novos aeroportos e os matadouros regionais que estão em construção.

A Alagoas Ativos será vinculada à Secretaria da Fazenda, que apresenta nos próximos dias as sugestões de equipamentos e serviços que poderão entrar no programa de concessões. “A decisão final será do governador Renan Filho. Esperamos fazer esse anúncio no dia 6 de novembro”, aponta George Santoro.

Hélder Lima diz que assumiu a Alagoas Ativos será um desafio, que acredita que poderá encarar, graças a experiência adquirida no governo e pelo relacionamento com o setor privado: “com o apoio do governador Renan Filho e do secretário George Santoro, poderemos ajudar a trazer novos investimentos para Alagoas, além de melhorar a gestão de importantes empreendimentos já existentes”, aponta.

Empresa já nasce grande

A Alagoas Ativos terá um fundo próprio de R$ 10 milhões, com aportes previstos pela Sefaz – sendo metade este ano e a outra metade em 2018. Além disso, a empresa pública terá um fundo rotativo de 12% do FPE. A ideia, segundo Santoro, é garantir um fluxo permanente de recursos. “Essa quantia vai sair do Tesouro Nacional direto para o fundo. A Alagoas Ativos vai verificar as pendências e os recursos não utilizados vão voltar para o Estado. Trata-se de um fundo rotativo”, pondera.

O giro mensal do fundo ficará, em média, entre R$ 35 e R$ 40 milhões – que são usados em caso de necessidade e voltam para o Tesoutro. Com esses recursos, o estado espera destravar PPPs e dar andamento em projetos já aprovados, a exemplo dos consórcios Sanema e Sanama, que estão investindo R$ 385 milhões em obras de saneamento em Maceió. “Com o fundo, a confiança aumenta e junto com ela a disposição do empresário investir mais no estado”, diz Santoro.

Alvo

O governador Renan Filho confirma que vai anunciar a indicação do Hélder para a Alagoas Ativos nesta semana e avisa que o objetivo é “trazer investidores privados, para alavancar novos negócios em Alagoas. Com essas parcerias, os recursos do estado rendem mais, vão surgir novos negócios, novos empregos, novas possibilidades, para estimular o que nosso esta estaio tem de melhor”.

COMENTÁRIOS 1

Rui será presidente do PSDB: “candidato ao governo deve comandar o partido”, diz Téo Vilela
   16 de outubro de 2017   │     13:14  │  1

A informação veio por comunicado nas redes sociais. O presidente do PSDB em Alagoas, Téo Vilela, convidou o prefeito de Maceió a assumir o comando do ninho tucano em Alagoas.

Rui Palmeira aceitou. A convenção será realizada no dia 11 de novembro, em Arapiraca.

“O Rogério (Teófilo) será o anfitrião da nossa convenção. Será um grande ato, o momento em que devemos não só mudar o diretório, mas também apresentar um projeto para Alagoas”, aponta Téo Vilela.

O gesto – de passar o comando do PSDB para Rui Palmeira – não tem nada a ver com os boatos sobre uma eventual mudança do prefeito para outro partido.

Trata-se, segundo Vilela, de fortalecer a pré-candidatura de Rui Palmeira ao governo de Alagoas.

“Eu conversei com o Rui e ele está animadíssimo. Como já fui candidato duas vezes, sei o quanto é importante para um candidato a governador comandar o partido. Por isso, convidei o Rui e ele assumirá a presidência do PSDB em Alagoas”, aponta.

Segundo Vilela, como candidato ao governo Rui Palmeira vai precisar do comando do partido para “formar o palanque”. Ele próprio avalia que estará lá, na chapa majoritária, como candidato ao Senado. “Ainda não tomei essa decisão, mas pretendo ser candidato. Tenho dito aos amigos que guardem uma vaga para mim. No ano que vem são duas vagas. Uma vaga podem votar em quem quiser, mas peço que a outra seja minha”, descontrai.

Fim das especulações

O “gesto” de Téo Vilela acaba como boatos de que ele poderia fechar uma aliança – ainda que informal – com o senador Renan Calheiros em 2018 ou que deixaria Rui Palmeira sem legenda. Na última semana, o presidente do DEM e secretário de Saúde de mercado, chegou a sugerir que o prefeito mudasse de partido para evitar surpresas desagradáveis.

Com a decisão, Vilela sai o olho do furacão e passa a navegar em águas mais tranquilas para viabilizar seu projeto de concorrer novamente ao Senado.

A pressão, agora, recai completamente sobre o prefeito de Maceió, que terá de dizer (ainda que seja através de gestos e movimentos) se vai encarar a disputa contra Renan Filho em 2018.

O comunicado

Veja o texto, na íntegra, postado por Téo Vilela nas redes sociais, na sexta-feira, 13.

Hoje à tarde comuniquei ao prefeito Rui Palmeira que não disputarei a reeleição à presidência da executiva estadual do PSDB, na convenção do próximo dia 11 de novembro. Rui é o meu candidato para presidir o nosso partido e trabalharei junto a todos os dirigentes estaduais no sentido de haver unanimidade em torno do nome dele. Tenho a absoluta certeza de que ele conduzirá os tucanos com o seu bom senso político, responsabilidade partidária e compromisso com a social democracia. Também externo a minha confiança, e a confiança dos tucanos de Alagoas, com a candidatura de Rui Palmeira ao Governo do Estado no próximo ano”.

COMENTÁRIOS 1

Pesquisa deputado federal: veja quem subiu e quem caiu na preferência do alagoano
   15 de outubro de 2017   │     14:56  │  2

Após realizar pesquisas específicas nas maiores cidades de Alagoas, o Ibrape divulga levantamento geral de intenção de voto em Alagoas.

A pesquisa foi realizada entre 06 e 09 de outubro, com 2 mil eleitores com 16 anos ou mais, com intervalo de confiança estimado de 95% e margem de erro de 3%. A amostragem, divulgada na coluna Radar da Revista Veja e em um site local, foi realizada em 45 diferentes cidades de todas as regiões alagoanas.

Já divulgamos o resultado para o governo de Alagoas, Senado e presidente da República. Agora vamos conhecer a preferência do alagoano para a Câmara dos Deputados.

Entres os deputados que vão disputar a reeleição, despontam Ronaldo Lessa, Carimbão, JHC e Arthur Lira. Heloísa Helena, Rodrigo Cunha e Joaquim Beltrão se destacam entre os “novos” nomes.

O Ibrape montou no levantamento de outubro um cenário com 16 candidatos eventuais à Câmara Federal, entre os nomes mais prováveis, que vem sendo citados para as eleições de 2018.

Na pesquisa estimulada, se as eleições fossem hoje, Heloísa Helena teria 10,4%, seguida de Ronaldo Lessa com 10%, Carimbão, 8,5%. Em quarto, aparece JHC, com 6,2%, seguido de Arthur Lira (4,4%), Joaquim Beltrão (3,2%), Rodrigo Cunha (4,2%), Paulão (2,7%), Maurício Quintella (2,5%), Rosinha da Adefal (1,7%), Sérgio Toledo (1,4%), Pedro Vilela (1%), Nivaldo Albuquerque (0,7%), Severino Pessoa (0,7%), Rodrigo da Laje (0,6%) e Val Amélio (0%). Indecisos, 17,2%. Brancos e nulos, 25,9%.

Sobe e desce

O resultado geral não mostra grandes mudanças em relação ao levantamento anterior, mas revela que a preferência do eleitor está mudando à medida que a eleição se aproxima.

Em relação a pesquisa anterior (http://wp.me/p6TEFy-45q), divulgada no começo de agosto, Heloísa Helena caiu quase 4 pontos, de 14% para 10,4%. Já Ronaldo Lessa, subiu de 9,1% para 10%, Carimbão, aumentou de 8,1% para 8,5%.JHC tinha 5,3% e agora tem 6,2%. Arthur Lira oscilou de 4,4% para 4,5%. Rodrigo Cunha caiu de 4,1% para 2,9%. Joaquim Beltrão tinha 3,6% e foi para 3,2%. Paulão saiu de 1,8% para 2,7%. Maurício Quintella subiu de 1,6% para 2,5%. Pedro Vilela saiu de 1,4% para 1%. Rosinha da Adefal foi de 1,3% para 1,7%. Sérgio Toledo de 1,3% para 1,4%. Nivaldo Albuquerque caiu de 1,3% para 0,7% e Severino Pessoa de 0,9% para 0,7%.

Veja as tabelas

COMENTÁRIOS 2

Biu de Lira e Téo Vilela disputam segunda vaga para o Senado, mostra pesquisa
   14 de outubro de 2017   │     18:12  │  0

Após realizar pesquisa nas maiores cidades de Alagoas, o Ibrape está divulgando o levantamento geral de intenção de voto em Alagoas.

A pesquisa, divulgada na coluna Radar da Revista Veja e em um site local, foi realizado entre 06 e 09 de outubro, com 2 mil eleitores com 16 anos ou mais, com intervalo de confiança estimado de 95% e margem de erro de 3%.A amostragem foi realizada em 45 diferentes cidades de todas as regiões alagoanas.

Já divulgamos o resultado para o governo de Alagoas e presidente da República. Agora vamos conhecer a preferência do alagoano para o Senado.

A grande surpresa nesse levantamento é a melhora do desempenho dos atuais senadores Renan Calheiros (PMDB) e Benedito de Lira (PP).

Segundo o Ibrape, se as eleições fossem hoje, Renan Calheiros seria reeleito e Benedito de Lira disputaria a segunda vaga com Teotonio Vilela Filho (PSDB).

O Ibrape montou um cenário com 5 candidatos eventuais ao Senado em 2018, assim como fez nas pesquisas anteriores: Renan Calheiros (PMDB), Benedito de Lira (PP), Teotônio Vilela Filho (PSDB), Marx Beltrão (PMDB) e João Caldas (PSB).

São estes os políticos que até agora manifestaram intenção de disputar o Senado em 2018 em Alagoas.

Renan e Téo lideram

Se as eleições para senador fossem hoje e os candidatos fossem os seguintes, o resultado, segundo o Ibrape ficaria assim no resultado geral, considerando o 1o e o 2o votos: Renan 35%, Téo Vilela 23%, Benedito de Lira 21%, João Caldas11% e Marx Beltrão 10%.

O levantamento leva em consideração os dois votos para o Senado, no próximo ano.

Pela pesquisa o 1o voto para o Senado ficaria assim: Renan 21, Téo 11%, Biu 11%, Marx 6% e João Caldas 5%.

O 2o voto seria assim: Renan 14%, Téo 12%, Biu 10%, João Caldas 6% e Marx 4%.

Biu e Téo mais “próximos”

Na comparação com a pesquisa anterior, divulgada em agosto (http://wp.me/p6TEFy-45m), o senador Renan, que tinha 30% cresceu 5 pontos; Téo Vilela caiu de 25% para 23%, Biu subiu de 18% para 21%, enquanto João Caldas caiu de 12% para 11% e Marx Beltrão caiu de 11% para 10%.

O resultado divulgado agora mostra que Benedito de Lira encurtou a distância para Téo Vilela. Com a diferença entre os dois dentro da margem de erro, qualquer resultado seria possível. Mas até a eleição, ainda tem muito chão pela frente. O caminho é longo para todos, incluindo o senador Renan Calheiros, que está na liderança.

As chances de ser eleito pelo Senado passam por uma estratégia que vai do voto de opinião a articulações com lideranças políticas tradicionais, em busca do 1o ou 2o votos, até com alianças informais com eventuais adversários em alguns municípios. Quem for melhor no xadrez, tem mais chance de ganhar oito anos em Brasília.

COMENTÁRIOS 0