Téo tenta dividir com Lessa responsabilidade pela violência em Alagoas
   27 de junho de 2012   │     14:19  │  9

O governo mostrou poder de fogo, hoje, no lançamento do Brasil Mais Seguro. Casa cheia, o teatro Gustavo Leite foi palco de um espetáculo preparado por marqueteiros experientes.

O mestre de cerimônia, o ator Marcos Frota, demonstrava grande alegria, muita intimidade com o ministro – a quem chamou de “grande Zé” – e pouca intimidade com Alagoas.

O ministro da Justiça e o governador de Alagoas “abriram mão” do paletó e foram de camisa branca, para simbolizar a paz.

Foi um momento de festa. Decretos, convênios, editais e outras medidas marcaram a arrancada do plano no teatro, enquanto helicópteros e viaturas das forças estaduais e federais  faziam um show a parte, “lá fora”,  em vários bairros de Maceió.

Em meio a toda a pirotecnia, necessária para mostrar a que o jogo mudou, ouvi pelo rádio os discursos do ministro e do governador.

O “grande Zé” falou com “o coração” e convocou a sociedade alagoana a “abraçar” o plano que foi feito – “com determinação da presidente Dilma Rousseff”- para preservar a vida. A escolha de Alagoas, repetiu o ministro, se deu porque o estado é o mais violento do Brasil. “Esse é um plano que está acima das questões partidárias e políticas”.

O recado do ministro, novamente repetido, tem uma preocupação. Todos em Alagoas são a favor do plano, mas alguns temem seu uso político.

Por fim, o ministro lembrou que Alagoas foi escolhido como piloto, não como cobaia: “é um plano piloto porque vamos usar aqui ferramentas testadas, experiências que já deram certo em outros estados”. Seria cobaia – reforçou – se fossem usar o estado como laboratório para testar novas “ferramentas”.

Téo Vilela fez um discurso na mesma linha do ministro. Falou da sintonia com a presidente Dilma Rousseff, da “parceria” com Cícero Almeida e da necessidade de unir todos os alagoanos no mesmo objetivo: o de construir a paz.

O governador no entanto não parece querer carregar sobre os próprios ombros a responsabilidade exclusiva e o desgaste pela escalada da violência no Estado. Ele aproveitou o discurso para dividir o peso com Ronaldo Lessa, seu antecessor.

Fez questão de lembrar que nem sempre o Estado foi tão violento: “Em 1999 Alagoas tinha menos de 20 homicídios por 100 mil habitantes, um índice portanto abaixo da média nacional. Em 2006 esse índice estava acima de 50 homicídios por 100 mil habitantes”.

E mais: “quando eu assumi, em 2007, encontrei a segurança destruída, sem viaturas, sem armas. O setor era completamente desestruturado e o pessoal desmotivado”. Téo Vilela lembrou ainda que por conta desse “caos” chegou a pedir que o presidente Lula e o então ministro da Justiça, Marcio Thomaz Bastos, indicassem o secretário de segurança de Alagoas.

O governador só não fez citar o nome do seu antecessor, mas deixou claro que vai tentar dividir com Ronaldo Lessa – governador de Alagoas entre 1999 e 2006 – a fatura do desgaste que enfrenta na segurança.

Resta saber se o alagoano vai entender esse recado, só agora, cinco anos e meio depois.

COMENTÁRIOS
9

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. paula tenorio

    minha gente, vamos apostar no plano, depois a gente critica. o que não pode é esse monte de gente morrendo aí sem a minima defesa. a droga rolando aí sem controle. as delegacias com um so policial. so pra delegados existem 74 vaga e para agente mais de duas mil. mas vamos deixar pra criticar depois. abraços. boa oite.

  2. ALAGOAS SEM CORRUPÇÃO

    O SENHOR THÉO VILELA É UMA PESSOAL QUE NUNCA ENTENDEU DE ADMINISTRAÇÃO PUBLICA , FOI SEMPRE UM SENADOR ,O MAXIMO QUE ELE FAZIA ERA APERTAR UM BOTÃO PRA DIZER SIM OU NÃO PARA ALGUMA VOTAÇÃO …….

    1. carlos barros

      E EU TE PERGUNTO: QUEM ENTENDE DE ADMINISTRACÃO, VOCÊ? ENTÃO SE CANDIDATE, MOSTRE SUA COMPETÊNCIA. OU VC ESTA SE REFERINDO A ALGUM POLÍTICO ALTO, MAGRO E QUE REPRESENTA O PASSADO. E QUE CAUSARÁ UM ARREPENDIMENTO MONSTRUOSO NO POVO DE MACEIÓ ESSE ANO SEGUNDA AS PESQUISAS. OU VC É UM FAMOSO ÂNCORA FANÁTICO POR ESTE SENHOR, QUE NAS MANHÃS ALAGOANAS PERDE ATÉ A COMPOSTURA E SERVE DE RIDÍCULO. DESCULPE O DESABAFO CARO EDVALDO.

      1. Edivaldo Júnior Post author

        Calma lá, meu caro Carlos Barros. O espaço aqui é democrático, mas não exagere.
        Eu não pretendo concorrer a nenhum cargo político-eleitoral. Mas nem por isso vou deixar de abordar temas que considero importantes.
        Meu papel é esse mesmo. As vezes é necessário falar de temas polêmicos, assuntos que provocam opiniões diferentes. Fazer o que? Prefiro correr o risco de errar, do que o de me omitir.

  3. carlos barros

    RESPONDENDO AO COBAIA SIM, ESPERO QUE VC NÃO TENHA PARENTE ENVOLVIDO COM DELITOS, PORQUE SÓ CRIMINOSOS E SEUS FAMILIARES ESTÃO CONTRA. QUANTO EM DIVIDIR A RESPONSABILIDADE COM LESSA, ESTA CERTO O GOVERNADOR. ISSO COMECOU A 1O ANOS E FOI PIORANDO, INCLUSIVE O CRIME EM ALAGOAS MUITAS VEZES TEM PROTECÃO DE PESSOAS FORTES. LESSA SEMPRE MAQUIOU A REALIDADE ALAGOANA EO TÉO RESOLVEU ESCANCARAR. VAMOS TODOS AJUDAR, PELA NOSSA SOBREVIVÊNCIA.

  4. Adriana

    Eu sinceramente espero que Alagoas consiga superar esta fase, e que nós alagoanos tenhamos o nosso direito de ir e vir resgatado.
    A segurança não é mérito de governo A ou B, é dever, assim como saúde,educação e tantas outras coisas. Mas, a falta disso tudo, de fato, é culpa de maus políticos que se apropriam do dinheiro público para enriquecer, e esquecem que seus verdadeiros patrões somos nós: a população!

  5. cobaia,sim!

    ALAGOAS SEMPRE FOI COBAIA DE TUDO; AGORA, SERVE DE COBAIA PARA UM PLANO “MIRA BOLANTE” QUE NÃO VAI DAR EM NADA. HÁ, DESCULPE, VAI DAR LUCRO NO ANO DE CAMPANHA, JÁ QUE SERÃO QUASE NOVENTA MILHOES PARA A CAMPANHA DO RUI. SEM DINHEIRO, O PLANO VAI VIRAR UMA M……

Comments are closed.