O Ibama, os servidores e o estaleiro: um imbróglio para Dilma resolver
   12 de julho de 2012   │     14:16  │  0

Os sites locais repercutiram, ontem, um manifesto da associação que representa os servidores do Ibama (Asibama) . O texto que pode ser lido na íntegra no site da entidade traz criticas a imprensa e os políticos alagoanos (especialmente Renan Calheiros).

Os servidores tentam negar que houve discriminação contra Alagoas. Mas em nenhum momento conseguem explicar porque outros Estados conseguiram licença para construir estaleiros (mesmo tendo impactos ambientais maiores) e Alagoas não.

O fato é que existe sim algo a ser esclarecido, um problema a ser resolvido. O Ibama, embora seus servidores tentem negar, discriminou Alagoas  e feriu o principio republicano.

Ao agir assim, o órgão criou um problema que terá de ser resolvido pelo Palácio do Planalto. Daqui a pouco (às 16h) o governador e os três senadores de Alagoas terão uma audiência com a ministra do Meio Ambiente. Eles vão dizer a Isabella Teixeira que não aceitam a discriminação contra o Estado.

A ministra pode até tentar resolver essa questão. Mas é certo que o assunto será tratado com a presidente da república. E não poderia ser diferente.

Se não existir, de fato, nenhuma justificativa técnica que embase a decisão do Ibama é quase certo que o Palácio pedirá uma revisão no caso. Até porque esse tem sido o comportamento da presidente Dilma Rousseff até agora em casos onde não existe forte embasamento técnico ou jurídico.

Ela ouve os políticos e sempre que pode ajuda aos amigos – desde que a lei permita. No caso do Ibama, Dilma Rousseff já disse a Renan Calheiros e a Téo Vilela que se depender dela o estaleiro vem para Alagoas. Agora, é a hora da presidente agir.

O manifesto

Para quem quiser ler, disponibilizo o link do manifesto do Ibama. Depois de lê-lo tive a certeza de que existiu, sim, discriminação contra Alagoas. Tire você suas próprias conclusões.  http://asibamanacional.org.br/site/images/stories/file/Manifesto_Renan%2010-07.pdf ou (www.asibamanacional.org.br)