Partidos da base de apoio a Téo Vilela perdem participação nas eleições deste ano
   24 de julho de 2012   │     15:48  │  0

Dos partidos que dão sustentação ao governo de Téo Vilela apenas dois estão apresentando um número maior de candidatos a prefeito nas eleições deste ano.

O DEM de Thomaz Nonô apresentou 10 candidatos em 2008 e agora concorre com 12. Já o PPS de Régis Cavalcante, aumentou o número de candidatos de 10 para 13 no mesmo período.

O PSDB fez o dever de casa e conseguiu apresentar 36 candidatos, mesmo número das eleições anteriores. A diferença, avalia Claudionor Araújo, dirigente estadual do partido, é que o numero de prefeitos eleitos deve aumentar. “Hoje existem 14 prefeitos tucanos. Esperamos sair destas eleições elegendo de 15 a 20 prefeitos”, diz.

O PP de Benedito de Lira, concorreu em 2008 com 40 candidatos e agora vai com 33. Já o PSB de Kátia e Carimbão, caiu de 15 para 14. O PR de Maurício Quintela, agora na base do governo, cai de 9 para 5. Quanto dá essa redução? Em média 21% se considerados todos os partidos, juntos.

Os partidos também diminuíram o número de candidatos a vice-prefeito: O PSDB caiu  de 27 para 18, o PP de 33 para 18, o PSB de 17 para 16, o Dem de 20 para 15, o PR  de 18 para 13 e o PPS de 19 para 12.

Mas é bom lembrar que em Alagoas partido é uma coisa e aliança eleitoral no interior é outra bem diferente.

Vejam bem os exemplos: Téo Vilela apoia candidatos do PMDB em várias cidades e Renan apoia candidatos do PSDB em outras. O que isso quer dizer? Que a nossa política é um pouco apartidária. Mas mesmo assim é importante destacar que o desempenho dos partidos nas eleições deste ano terá grandes reflexos em 2014.

Ou seja, a legenda que sair fortalecida das urnas (e o que vale em política é o voto) este ano terá mais força para dar as cartas nas próximas eleições.