Uma explicação para a “temperatura” das eleições: falta “combustível”
   16 de agosto de 2012   │     19:02  │  1

Um dos políticos mais experientes de Alagoas explica, de forma simples e direta, porque a campanha eleitoral ainda está “morna” na maioria dos municípios de Alagoas: “falta dinheiro”, traduz José Thomaz Nonô.

O vice-governador faz política há mais de 40 anos, desde os tempos de estudante. E diz que nunca viu uma “seca” tão grande como a atual no financiamento das campanhas.

Nonô dá uma boa dica para quem quer medir a “temperatura” eleitoral: “reparem nos muros”.

A teoria é simples. Quanto mais muros pintados, mais dinheiro estaria circulando numa campanha. Até porque “pintar muro é caro”.

O que Nonô me disse é fácil de qualquer um comprovar em Maceió: tem poucos muros pintados na cidade com propaganda de candidatos, seja a vereador ou a prefeito.

Alguns candidatos fazem hoje, no dizer de Nonô uma campanha modesta, com poucos recursos financeiros. Nessa lista, ele inclui Jeferson Morais, candidato do seu partido, o DEM, em Maceió. “As campanhas do Ronaldo e do Rui são as que têm maior visibilidade nesse momento. E mesmo assim, se você comparar com outras eleições, vai perceber que o volume de campanha, de material na rua, é bem menor”, pondera.

Por isso, avalia Nonô, a campanha só vai esquentar mesmo depois que o guia eleitoral começar, no próximo dia 21: “a TV e o rádio terão um peso ainda maior nessa eleição. Muitos candidatos vão transformar o horário eleitoral senão no único, mas no principal meio de divulgação de suas propostas”.

Mensalão, Cachoeira e Crise

O que estaria pesando para a escassez de dinheiro nas eleições. Vários fatores, incluídos o julgamento do mensalão e a CPMI do Cachoeira que deixa empresários e políticos cada vez mais cautelosos.

Também pesa contra um fluxo maior de recursos a preocupação dos empresários com a crise que se anuncia. Muitos estão mantendo reservas e evitando gastos desnecessários porque não sabem o que vem pela frente.

Esse cenário, embora não pareça, é bom para o eleitor consciente, do voto limpo. Mas em contrapartida vai fazer crescer o peso de candidatos que dinheiro no bolso para pagar R$ 100 num voto, seja de prefeito ou vereador.

Até porque grande parte do eleitoral já caiu no vício. E cada dia que passa é maior o número de pessoas dizendo que “de graça eu não voto não”.

Por isso é fundamental que o cidadão que defende eleições limpas e o voto democrático crie coragem e denuncie qualquer suspeita de compra de votos que tiver conhecimento.

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. fred

    É MEU CARO, ESSE POVO SÁ AGE NAS VESPERA DAS ELEIÇÕES, AGORA O COMBUSTIVEL FICA ARMAZENADO, E COMO FICA, É SÓ ESPERA PARA VÊ. EM UM TEMPO PASSADO ESSA TURMA FICA VISITADO*QUANDO GANHA DESAPARECE*, POIS É NO MUNDO NÃO TEM GENTE MELHOR DO MUNDO DO QUE O NOSSO POVO HUMILDE, SEMPRE USADO, E CONTINUA SEMPRE SENDO USADO, É UM POVO ALTAMENTE MARAVILHOSO, E GOSTA E COMO GOSTA DE SOFRE, O COMBUSTIVEL QUE ELES QUEREM O NOSSO POLITICO SOLTA A CONTA A GOTA. É ESPERAR PARA ……………DEPOIS CONTAR OS VOTOS.

Comments are closed.