Sem ônibus, sem escola, sem trabalho: maceioense vive mais um dia de caos
   21 de agosto de 2012   │     8:13  │  5

Agora pela manhã quem quiser ir para o trabalho vai ter que pagar entre R$ 5 até R$ 20 numa lotação. Se tiver a sorte de pegar uma.

Táxis e mototáxis não conseguem dar conta do aumento da demanda, mesmo cobrando mais caro. Os rodoviários, segundo registro feito pelo Gazetaweb, mantém pararam 100% dos ônibus.

De pé, de bicicleta, de carona. Cada um vai se virar como pode para chegar ao trabalho.  Escola, compras ou qualquer outro deslocamento, só para quem tem carro.

Afora o trabalho as pessoas tendem a sair de casa só em casos essenciais – uma audiência na Justiça, por exemplo.

A greve não vai afetar apenas a economia da cidade, provocando perdas para empresas do comércio e de serviços. O trânsito mais uma vez promete ser caótico e a cidade vai funcionar precariamente.

E aqui fica uma pergunta: se o trabalhador faltar no emprego, quem paga a conta? O empregado leva falta ou patrão paga o prejuízo? E quem paga pela lotação?

Os rodoviários desafiaram a Justiça, descumprindo ordem do TRT. Há quem diga que eles estão fazendo coro com os patrões, que querem aumentar valor da passagem para R$ 2,30. Na verdade pressionam para manter um preço que já vem sendo praticado há alguns meses.

Mais uma pergunta: onde estão os vereadores? Onde está o prefeito e seus auxiliares? Quem vai resolver esse imbróglio que prejudica o trabalhador e causa muito mais prejuízos do que o aumento da passagem. Afinal, dois dias rodando em lotação ou em táxis não sai mais caro que o reajuste?

O fato é que as autoridades precisam agir, criando alternativas para garantir o transporte do trabalhador. Se for preciso que liberem as vans, montem uma frota alternativa com ônibus escolares ou – aí vai “sugestão” – que se monte um gabinete de crise, com a participação da sociedade civil organizada, sindicalistas e poder público.

O que não dá é deixar o cidadão ao deus dará.

Para fechar reproduzo o comentário feito no post anterior pelo leitor Paulo Lima. Ele traduz com perfeição o drama do maceioense, hoje:

POBRE POPULAÇÃO!

Que precisa de transporte para seus deslocamentos:
. Tem uma SMTT que não cumpre seu papel.
. A justiça que não sabia onde estava se metendo e o problema que estava criando.
. Uma Câmara que se mete onde não tem competência. O de regular preço de tarifa de ônibus.
. Uma classe de trabalhadores que com justiça quer reajuste.
. Um grupo de empresários que precisam de receita para pagar os custos dos serviços de transporte que prestam a população.
. Milhares de trabalhadores que precisam do transporte para trabalhar.
– E O PIOR: A PREFEITURA QUE DIZ QUE NÃO TEM NADA COM ISSO!

Paulo Lima.

COMENTÁRIOS
5

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Eleitora

    Quem paga a conta? Nesse caso caro blogueiro, empregado e empregador, as pessoas que pagam impostos e que geram renda para o município.
    Quanto as autoridades competentes, esses pelo que estamos vendo não estão nem um pouco preocupados.
    Ah! Há a especulação de que essa greve foi articulada pelos donos das empresas de ônibus, que ficaram insatisfeitos com a redução da tarifa e quiseram mostrar aos Juízes responsáveis pela decisão “quem manda” (o que sinceramente acredito ser o real motivo da paralisação). Aí vai um questionamento: Será que os responsáveis pela administração municipal não estão deixando o circo pegar fogo, pois aí haveria um recuo por parte do judiciário que permitiria a cobrança da tarifa a R$2,30 e não se indisporiam com os empresários e ainda teriam a alegação junto a população de que foi decisão judicial e não teriam nada a fazer.
    Essa atitude a lá Pilatos é conveniente num ano eleitoral? Para alguns pode até ser, mas tá ficando muito “FEIO” para a administração municipal…

  2. abel

    Faltou um meu amigo edivaldo,SEM SOCORRISTAS(samu),e será que o barco em Alagoas está SEM COMANDO amigos,tirem as suas conclusões.

  3. Jack Bauer

    Muito bom o seu post Edivado… a grande verdade é que o Prefeito é um ‘ser invisível’ – ele só aparece quando lhe é oportuno.

    Em quaisquer outros momentos ele se veste em uma capa de invisibilidade.

    Torço muito pelo avanço de Maceió mas o povo é o principal culpado da condição atual que vivemos. Só,e somente só, através da Democracia é que será possível que melhoremos de condição de vida.O estranho é que a própria Sociedade está deixando de lado seus quereres.

  4. Ruslan Queiroz

    Prejuízo Invisível com a Greve, se perde:
    • Entrevistas de Emprego;
    • Exames admissionais;
    • Entrega de documentos;
    • Aulas.
    Dizer:
    “Vá a pé ” é fácil pra quem mora perto do centro, mas na parte ALTA, fica difícil.

Comments are closed.