A última noite de uma farmácia em Maceió ou salve-se quem puder
   1 de novembro de 2012   │     5:02  │  6

Foi quase por acaso. No começo da madrugada da última sexta-feira fui até a Farmácia Permanente da Praça Centenário, no Farol. O vendedor puxou papo. Aproveitei para perguntar por que permitiam moradores de rua dormindo na entrada do estabelecimento.

Também me queixei, confesso, da abordagem de alguns (isso mesmo alguns) pedintes. Será que estamos no Brasil ou no Haiti? Ai de ti, ai de nós.

A resposta foi inusitada: “isso só vai até o dia 31”. Pedi mais detalhes. “Só vamos funcionar 24 horas até o próximo dia 31. A partir do dia 1º vamos fechar a meia noite”, explicou.

A Farmácia em questão tem bom movimento na madrugada. É (ou era) a única aberta 24 horas em toda a parte alta de Maceió. “Agora só vai ficar aberta 24 horas a Pague Menos da Ponta Verde”, completou o vendedor. O problema é descobrir até quando.

Isso porque o motivo do fechamento da Permanente da Centenário na madrugada foi a violência, mesmo problema que cerrou as portas da Guararapes e Pague Menos no Farol e tantas outras farmácias na Pajuçara, Mangabeiras, Jatiuca e outros bairros, que funcionavam 24 horas até alguns meses atrás.

Violência? E o plano de segurança, não melhorou nada? “Vai fazer cinco meses que estou aqui e já fui assaltado quatro vezes” resumiu o vendedor.

Narrei, ontem, essa história a uma colega do trabalho. Queria sua opinião. Para minha surpresa, ela contou que o esposo trabalhou como motoboy em uma Farmácia Permanente na Jatiuca. “Só ele foi assaltado umas dez vezes. Os bandidos sempre ameaçavam matá-lo se contasse para a polícia. Da última vez ele foi obrigado a levar um na moto. Depois disso, pediu demissão”.

Uma cidade mergulhada na escuridão e um povo amedrontado

Ao retornar para casa no começo da madrugada de hoje circulei por alguns bairros. A  cidade está cada vez mais deserta a partir da meia noite. Na Fernandes Lima, que tinha várias farmácias e postos 24 horas, só dois postos de combustíveis, próximos ao Shopping Farol resistem à violência.

Fora disso é possível encontrar abertos 24 horas postos de combustível na Jatiuca, Jacintinho, Barro Duro e Serraria, supermercados na Ponta Verde e Mangabeiras e, a partir de agora, apenas um farmácia na Ponta Verde. Aqui, um parêntese: não por mera coincidência os postos e supermercados abertos 24 horas recebem com frequência a “visita” de viaturas da PM. Talvez seja parte de relacionamento preferencial ou sabe-se lá o quê.

E pensar que dez anos atrás, com uma população bem menor, era possível encontrar dezenas e dezenas de farmácias, postos e lanchonetes abertas dia e noite em Maceió.

Espero que você não precise comprar remédios na madrugada e se isso acontecer um dia, como acontece com outras pessoas, talvez você se pergunte para que serve a polícia. Se preferir tente descobrir quem está preso, quem vive com medo ou fugindo: o cidadão de bem ou o bandido?

 

COMENTÁRIOS
6

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. abelardo

    A pergunta a ser feita é ; para que serve OS POLÍTICOS ,e não,para que serve a POLÍCIA,pois ,sabemos para que serve a polícia ,o que não sabemos é para que serve os POLÍTICOS.Tenho uma desconfiança de que só serve para se LOCUPLETAR DOS RECURSOS PÚBLICOS,é só uma pequena desconfiança,pois ,deveriam servir para alocar os recursos públicos necessários para a segurança pública,para a saúde e educação,digo seria,pois ,na prática o que temos de retorno dos nossos SUADOS IMPOSTOS,são sobras e migalhas de suas PERIPÉCIAS POLÌTICAS.Podemos ser um País de primeiro mundo se somos “bem”ranqueados no ranking de corrupção mundial?Para finalizar podemos concluir então que a culpa NÃO é da polícia,amigos,seria de quem? quem?

  2. cláudio Manoel Alcantara

    FALÊNCIA ANUNCIADA DA POLÍTICA DE SEG. PÚBLICA DE ALAGOAS!!!
    Somente agora entendi o motivo de tanta discórdia entre a SDS, Sec. de Saúde,IML e Imprensa. Os números da violência não batem. Enquanto os três últimos orgãos falam a mesma língua, melhor, tem os mesmos números assustadores da violência, apenas o da defesa social distoa dizendo que os médicos e os demais orgãos não entendem de apuração de homicídios, porque contabilizam suicídio e latrocínio. Ora, somente na visão processualista o latrocínio é roubo seguido de morte, Entretanto, olhando para a nossa realidade, vemos um quadro prá lá de desesperador, pois na verdade é que a população atônita está com muita adrenalina, chegando ao ponto de qualquer abordagem de surpresa de uma pessoa à um amigo, o abordado reage de várias formas, salto, pinote, sôco, desmaio e aí por diante, tudo, em virtude do quadro salve-se quem puder. E aí, pasmem, com a reação inesperada, na prática, ocorre a morte seguido de roubo, tamanha é a tensão do povo, e não o roubo seguido de morte. Então, pobre e desprotegida população alagoana, a situação está bem mais crítica do que se anuncia, pois inúmeros são os casos de matar prá roubar e, pasmem, não aparecem na estatística oficial da SDS, para mascarar os números. E aí pergunto: Quantos proprietários e funcionários de farmácias, padarias, bares e restaurantes e demais estabelecimentos terão que morrer para que o Governo Téo entenda que a política de faz de conta da segurança pública está falida??? Esta é a nossa realidade; quem sobreviver verá!!!

  3. não condiz

    CONSULTADO A RESPEITO, O GOVERNADOR VAI DIZER QUE “TUDO ISSO É PROPAGANDA NEGATIVA” INVENTADA PELA GALERA. EM MACEIÓ, SEGUNDO ELE, SEU SECRETÁRIO DÁRIO E O PLANO, TUDO É TRANQULIDADE. UMA MENTIRA DAQUELAS QUE SOLTAVA O FINADO JOCÃO HÁ MAIS DE CINCO DÉCADAS. GOVERNADOR, ACORDA!

  4. Ricardo Ramalho

    Parabéns pela construção aprimorada e argúcia do texto. Infelizmente, o que escreveu é verdadeiro e estarrecedor. Maceió, aos poucos, perde seu encanto de cidade acolhedora e humana em função do domínio da violência e do medo.

  5. jose antonio dos santos

    Caro Edivaldo, parece que as autoridades que tem obrigação de oferecer ações eficaz e são pagos para isso não querem enxergar essa realidade. Não adianta ENCHER AS RUAS DE POLICIA, esta ação intimida a bandidagem naquele local, naquele instante e as outras áreas. QUEM ABASTECE OS BANDIDOS COM ARMAS?. O BANDIDO NÃO ASSALTA, NÃO PRATICA O CRIME DESARMADO, todos sabemos.Agora, ficam com essa hipocrisia barata de “entregue sua arma”. Qual é o bandido que vai devolver sua arma,.. nenhum!. ENQUANTO ISSO UMA MAIORIA DE CANALHAS TRAVESTIDOS DE POLITICOS CONTINUAM ROUBANDO O PAÍS!.

Comments are closed.