Exportações de Alagoas caem mais de R$ 750 milhões em 2012
   5 de janeiro de 2013   │     13:02  │  3

As exportações de Alagoas sofreram um grande baque em dezembro.  O volume exportado foi de US$ 97,26 milhões. Em comparação com dezembro de 2011 (US$ 223,67 milhões) a variação foi de -56,52%.

O volume exportado durante todo o ano de 2012, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, ficou em US$ 1,014 bilhão, com uma queda nominal de US$ 370 milhões e variação de -26,04% em comparação com o acumulado de 2011 (US$ 1,371 bilhão).

Transformando em real, Alagoas deixou de exportar no ano passado mais de 750 milhões. Esse é o volume de recursos que deixou de girar nas empresas exportadoras, especialmente agroindústria canavieira.

Mais de 90% das exportações de Alagoas dependem do setor sucroalcooleiro. A queda de faturamento com o comércio exterior é reflexo direto da seca, que está provocando perdas agrícolas na ordem de 15%, e da crise financeira internacional. Com a seca, a safra será menor e é provável que as empresas demitam mais cedo, além de aumentar o número de demissões

“Nesta safra enfrentamos pela primeira vez ao mesmo tempo problemas com a seca, a crise no mercado mundial e a crise  no mercado nacional. É uma safra difícil e que está exigindo um esforço muito grande dos empresários para manter as empresas funcionando”, aponta Pedro Robério Nogueira, presidente do Sindaçúcar-AL.

COMENTÁRIOS
3

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Amigo do Povo

    Eu realmente não entendo estes tais “empresarios Alagoanos” e seus números. Porque a Raizen dá lucro, porque a Coopersucar dá lucro e o danado do Usineiro Alagoanao tem prejuizo ? E choram para que o Governador Usineiro tenha compaixão e favoreçam a sua vida. Eu gostaria de saber, e o Sr. blogueiro poderia ajudar, se os incentivos que são aplicados ao setor sucro-alcooleiro são extensiveis a todas as suas empresas ? Pois fala-se de grupo e não de usina.Grupo João Lira, Grupo Toledo, etc, etc.
    A automação da colheita da cana gerou os bolsões de miséria que nos envolve e os tais usineiros dizem que nada tem a haver com isto.

  2. Zau

    Existe uma regra em investimento que diz: “não coloque todos os ovos numa cesta só”. Parece que nossos pseudo economistas do estado não foram nessa aula.

Comments are closed.