Ibama dá parecer favorável a nova área do estaleiro Eisa em Coruripe
   13 de março de 2013   │     6:29  │  7

O Ibama publicou, essa semana, no seu site (www.ibama.gov.br) o Parecer Técnico 003619/2013 sobre o processo de licença ambiental do Estaleiro Eisa Alagoas, com a análise dos “Estudos Complementares para a nova alternativa locacional” do empreendimento, localizado em Coruripe/AL.

Cabe ressaltar que o parecer ficou pronto no último dia 6, menos de um mês depois da audiência pública realizada em Coruripe, no dia 8 de fevereiro.

Dessa vez a história é diferente do Parecer Técnico  50/2012, de 15 de junho do ano passado, que concluiu pela inviabilidade da área proposta para a instalação do empreendimento – a 5A.

Apenas uma semana depois, em 22 de junho de 2012, foi emitido o Ofício nº. 477/2012 comunicando ao empreendedor a impossibilidade de instalação do empreendimento na alternativa locacional selecionada.

O novo parecer sobre a área 5D, entre os povoados de Barreiras e Miai de Cima, assinado por nove técnico,  sinaliza nas suas conclusões que a licença poderá ser liberada muito antes do que se imagina:

“Após a análise dos Estudos Complementares, esta equipe técnica entende  que a nova alternativa locacional apresenta vantagens socioambientais em relação à alternativa anteriormente proposta. Foram identificadas melhorias do projeto, com reflexos diretos nos impactos ambientais previstos. Como exemplo, podemos citar que  para a alternativa 5A havia uma previsão de dragagem da ordem 3,5 milhões de m3, enquanto que para a nova alternativa locacional o volume de dragagem estimado é inferior a 1 milhão de m3. Além disso, a área da nova alternativa locacional encontra-se  antropizada, situação oposta à da alternativa anterior (5A), que previa a supressão de significativa e importante área de manguezal, ecossistema costeiro responsável por  desempenhar importantes funções ecológicas, já amplamente apresentadas e discutidas no Parecer Técnico nº. 50/2012”.

Ainda de acordo com os técnicos, “outro ponto positivo do estudo complementar foi a melhoria na descrição do projeto em suas diferentes fases. Por outro lado, algumas deficiências do diagnóstico e da avaliação de impactos ambientais para a nova alternativa locacional dificultaram a análise, o que no entender desta equipe técnica, impediram um posicionamento conclusivo sobre a viabilidade ambiental do empreendimento. Assim, faz-se necessário que esclarecimentos adicionais sejam apresentados a este Instituto, conforme exposto a seguir”.

É claro que esses esclarecimentos serão prestados – e logo. Assim, é possível que o parecer conclusivo saia, no máximo, até o final da próxima semana.

Área 5D, entre Barreiras e Miaí de Cima, recebe parecer favorável do Ibama para implantação do estaleiro Eisa

Área 5D, entre Barreiras e Miaí de Cima, recebe parecer favorável do Ibama para implantação do estaleiro Eisa

Quase um livro

O parecer tem 100 páginas e foi analisado por nove técnicos do Ibama, que levaram 100 horas de trabalho para fazer uma série de recomendações e pedir correções no Relatório de Impacto Ambiental e no projeto de construção do estaleiro.

O texto completo você pode ler clicando no link a seguir: http://wp.me/a2Awck-F2

Importante até demais

Com investimentos de mais de R$ 1,5 bilhão e perspectiva de gerar até 10 mil empregos diretos, o estaleiro será (se de fato se confirmar) uma alternativa muito imporntante para o desenvolvimento de Alagoas. Disso ninguém duvida.

Mas é peciso alertar que essa  não será, nem de longe, a solução para os problemas que afligem os alagoanos. Sobre esses aspectos eu volto a falar, depois.

COMENTÁRIOS
7

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. gilson luciano

    eu acho uma palhacada a demora da liberacao do eisa ; seraaaaaaaaaaa por q a propina e pouca afinal em alagoas tudo so vai asciiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

  2. fati

    Eu penso que o IBAMA esta querendo algum trocado por baixo dos panos, para liberar o parecer para a construccao do Eisa. Corrupccao eh que fala mais alto nesse pais. Infelizmente!!

  3. Marcos Guerra

    Lembrem-se de convidar para a inauguração, o Papai Noel, o Coelhinho da Pascóa, o Saci Pererê, a Mula sem Cabeça e a Mula cachaceira de 9 dedos.

    1. JENIVALDO

      SEGUNDO O DIRETOR MAX (GRUPO SINERGY) NA PRÉ AUDIÊNCIA, NA CÂMARA MUNICIPAL DE CORURIPE, EM FEVEREIRO/2013, DISSE QUE O GRUPO TEM MUITAS ENCOMENDAS DE NAVIOS, INCLUSIVE PARA O EXTERIOR, QUE OS ESTALEIROS DO RIO NÃO TEM COMO CRESCER POR ESTAREM PRÓXIMAS A ÁREAS HABITADAS OU PRESERVADAS, QUE A ÁREA DAQUI É 10 VEZES MAIOR QUE A DO RIO, QUE O GRUPO FOI O ÚNICO ESTALEIRO QUE RESISTIU A CRISE NAVAL BRASILEIRA E NUNCA PAROU DE PRODUZIR, QUE A INTENÇÃO É MESMO EXPANDIR/CRESCER E AUMENTAR A PRODUÇÃO DE NAVIOS PARA ATENDER AO GRANDE NÚMERO DE ENCOMENDAS QUE NÃO PARAM, QUE ENCONTROU AQUI CONDIÇÕES GEOGRÁFICAS E APOIO NECESSÁRIO PARA IMPLANTAR O EMPREENDIMENTO. APENAS ESTOU TRANSMITINDO PARTE DO QUE ELE APRESENTOU POR SLIDES E EXPLICOU DETALHES DA GRANDEZA DO PROJETO. EU FIQUEI IMPRESSIONADO COM TUDO O QUE VI. VAMOS AGUARDAR. A TENDÊNCIA É QUE O IBAMA APROVE AS LICENÇAS NOS PRÓXIMOS MESES E A ABRA INICIE AINDA ESTE ANO. SE FOR PARA O BEM DE TODOS, QUE DEUS NOS DÊ ESTA OPORTUNIDADE!

  4. Clodoaldo Moreira Leal

    – Estou confuso com esta liberação, pelas noticias nos jornais especializados em portos. o grupo “synergy” onde são proprietarios alem da Avianca de dois estaleiro o “Maua” o mais antigo do Pais e o EIA.
    – E já faz mais de um ano que êle iniciaram a construção do primero navio ganho na licitação no Rio de Janeiro. (Amplamente divulgado nos jornais).
    – Por que motivo e como êles iriam suspender a fabricação e transferir para Alagoas?. Lá êles tem toda a estrutura logistica, fornecedoresl, apoio governamental e instalações e pessoal especializado.

  5. Costa

    Pela imagem de satélite é completamente perceptível porque o estaleiro não foi autorizado na área anterior. Observem a vegetação e a área de mangue presentes apenas na área 5A! Graças a competência do Ibama, a ganância política não se transformou em um dos maiores crimes ambientais de Alagoas.

Comments are closed.