Xingó sem água: situação do Velo Chico é crítica, diz Casal
   20 de março de 2013   │     18:14  │  0

A Chesf vai realizar amanhã, em Brasília, reunião emergencial com representantes de estados que fazem parte da bacia do rio São Francisco.

No encontro, que contará com representantes da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas, a Chesf deve explicar como será feito o controle de vazão do rio.

As manobras feitas pela companhia para acumular água nas barragens de Paulo Afonso estão baixando o nível do rio a partir deste trecho.

A redução de vazão chegou a provocar, ontem, a paralisação do sistema adutor do sertão, como informei, ontem, neste blog.

A situação do rio, do ponto de vista de acumulação de água, é considerada crítica. “A expectativa é que esses problemas persistam e que o sistema adutor do sertão continue enfrentando problemas nos próximo dias, com a possibilidade de falta de água” , explica o engenheiro Jorge Brizeno, assessor técnico da Casal.

Do ponto de vista emergencial a Casal negocia com a Chesf soluções emergenciais, para regularizar o abastecimento de água no sistema adutor do sertão. Entre estas medidas estão previstas dragagem da área de captação e reposição de peças usadas pelo sistema de bombeamento.

“Como choveu pouco nas regiões que fazem parte da bacia do Velho Chico, a Chesf deve montar um esquema especial para monitoramento das águas do rio , de forma a evitar prejuízos no abastecimento de cidades e regiões importantes, como aconteceu essa semana no sertão de Alagoas”, aponta Brizeno.

Nos outros sistemas de adutoras da Casal com captação no rio São Francisco, a operação deve seguir normal: “tanto na bacia leiteira, quanto no agreste e Piaçabuçu, a captação de água é feita diretamente no leito do rio ( diferente do sertão, onde a captação ocorre num braço do rio) nossos técnicos estão atentos e não devemos ter problemas de captação”, diz Brizeno.

No post anterior, você pode ler mais informações sobre o monitoramento das águas do Velho Chico.