Governo de AL decide não ajudar fornecedor na “briga” contra usinas
   14 de abril de 2013   │     18:17  │  5

Foram três meses de espera em vão. Na primeira quinzena de janeiro deste ano  os fornecedores de cana de Alagoas foram pedir uma “forcinha” ao governador Teotonio Vilela Filho.

A Asplana queria que o governo de Alagoas condicionasse a liberação do incentivo fiscal para usinas ao pagamento da cana recebida dos fornecedores – assim como fez Pernambuco.

A medida deu certo em Pernambuco. Tanto que, segundo o presidente Associação dos Plantadores de Cana,  Lourenço Lopes, tem dono de usina que atrasa o pagamento em Alagoas mas paga em dia em Pernambuco: “um dos grupos que atua nos dois estados, só atrasa aqui”, revela.

Alagoas tem 7,4 mil fornecedores de cana, espalhados por mais de 40 cidades da zona canavieira. Mais de 90% dos produtores trabalham em regime de agricultura familiar e produzem menos de mil toneladas de cana por safra. Ou seja, tem uma renda mensal de pouco mais de um salário mínimo.

Além do grupo João Lyra, que deve aos fornecedores desde a safra 2011/2012, pelo menos outras quatro usinas do estado estão com os pagamentos atrasados.  A Asplana calcula que mais de 20% dos produtores tem algum valor a receber em atraso desta safra ou de safra anteriores.

Aqui, não!

Depois de aguardar todo esse tempo, a diretoria da Asplana foi convocada, na sexta-feira passada, para uma reunião com o secretário Maurício Toledo, na sede da Secretaria da Fazenda.

Como a moagem 2012/2013 já acabou, a expectativa era de que a medida fosse adotada ao menos para a próxima safra. Era.  O secretário da Fazenda recebeu diretores da entidade e avisou que não vai mudar a legislação do setor.

Os diretores da Asplana ficaram tão decepcionados com a resposta do governo que evitaram até comentar o assunto.

Sem a intermediação do governo, os produtores podem ir para o confronto direto com as usinas, recorrendo a medidas judiciais e até a manifestações nas empresas para tentar receber os valores atrasados.

COMENTÁRIOS
5

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Sandro

    Um Governador usineiro e cuja campanha teve uma participação decisiva da cooperativa dos usineiros jamais tomará uma medida dessa mesmo sabendo, e ele sabe, que é mais do que justa.

  2. morador de teotonio vilela

    SERIA COMICO SE NAO FOSSE TRISTE, ELE DONO E DEVEDOR A MUITOS FORNECEDORES AQUI DA USINA SERESTA,PENSE NUMA CRISE QUE VIVE HJ O NOSSO MUNICIPIO;POR CAUSA DAS USINAS SERESTA E GUAXIMA.

  3. um dos velhacos

    SE A USINA DELE, FAZTEMPO QUE NÃO PAGA, ELE NEM TÁ AÍ PARA PLANTADOR DECANA. POR ELE, TODOS QUE SE LADQUEM. ESSES USINEIROS VELHACOS DE ALAGOAS NÃO PAGAM A NINGUEM E PLANTAR CANA PARA VENDER A ESSES VELHACOS É NEGÓCIO PARA LOUCO. M

  4. fornecedor de cana

    Si o governador é usineiro e a usina dele é uma das que não pagam em dia os fornecedores de cana!, até parece que o presidente da asplana acrédita em papai nóel ou mula sem cabeça em pensar que esse cidadão irá ajudar os fornecedores do nosso estado em algunha coisa!

  5. jonas antonio de freitas

    O governo de alagoas não ajuda nem á agricultura familiar…É nisso e que dá a monocultura da cana de açucar.Os usineiros ricos e as usinas falidas.É uma vergonha.

Comments are closed.