MD nasce com 3 deputados, 3 prefeitos e 106 vereadores em Alagoas
   19 de abril de 2013   │     17:10  │  0

 A fusão do PPS com PMN transforma o MD numa força política considerável em Alagoas. O novo partido nasce com dois deputados estaduais (Marcos Barbosa e Severino Pessoa), um deputado federal (Chico Tenório), três prefeitos e pelo menos 106 vereadores.

É provável que a nova legende engorde ainda mais em Alagoas nos próximos dias, com a possível filiação de deputados federais e estaduais. A partir da criação do MD, quem tem mandato eletivo pode mudar de partido, sem o risco de cassação, durante um período de 30 dias.

O ex-presidente do PPS, Régis Cavalcante, e o deputado federal Francisco Tenório, ex-PMN, devem liderar a construção do MD no estado em ritmo de pleno entendimento.

Conversei com os dois e o discurso é o mesmo. “Vamos nos entender. Vou trabalhar junto com o Régis para fortalecer o partido e construir uma chapa forte para 2014”, anuncia Chico Tenório.

Régis diz que um dos objetivos, a partir de agora, é garantir a presença do MD em todos os municípios do Estado. “Só o PPS tinha 80 diretórios. Agora com o reforço do PMN e as novas filiações poderemos chegar aos 102 municípios rapidamente”, adianta.

Qual o tamanho da chapa de 2014, se  ela será ou não “puro sangue”, com quem quase partidos poderá ser formada aliança? Essas são respostas que ficarão para depois.

Por enquanto, Régis e Tenório que trabalham em bases diferentes em Alagoas e no plano nacional (um é do governo e o outro faz oposição a Téo Vilela), mas devem unificar o discurso  rapidamente: “acredito que o MD será independente, tanto aqui no estado como no Brasil”, avalia Tenório.

No Brasil, 147 prefeitos, 13 deputados federais e 58 estaduais

O partido “Mobilização Democrática” começa forte nacionalmente, com 13 deputados federais, 58 estaduais, 147 prefeitos e 2.527 vereadores. Os números são do seu presidente nacional, deputado federal Roberto Freire, de São Paulo, que era presidente do PPS.

O novo partido abre janela no prazo de 30 dias, a partir do seu registro no TSE, para que filiar políticos sem risco de perda do mandato por infidelidade partidária.

O MD, avisa Freire, nasce comprometido com a candidatura Eduardo Campos, governador de Pernambuco a presidente da República.

A vice-presidência do MD ficará com Telma Ribeiro, ex-deputada por São Paulo, que era presidente do PMN.