Em nota, Bob Lyra confirma que mantém negociações com Grupo JL
   1 de maio de 2013   │     18:51  │  2

Muitos ainda duvidam de que as negociações entre o presidente da Delta Sucroenergia, Robert Lyra, e o Grupo JL, são reais. Para alguns a informação seria uma “cortina de fumaça” para se ganhar tempo na Justiça e com credores.

Não é que o que parece. A possibilidade de parceria ou fusão, anunciada há uma semana em nota assinada pelo empresário e deputado federal João Lyra, PSD-AL, presidente do Grupo JL, foi confirmada hoje a tarde em nota assinada pelo empresário Bob Lyra, que também é seu sobrinho.

Hoje a tarde Robert Lyra divulgou nota confirmando as negociações. Leia a nota, publicada na página oficial da Delta no Facebook (informada ao blog pelo leitor Sandro Calheiros):

“DELTA SUCROENERGIA CONTINUA DISCUTINDO POTENCIAL PARCERIA COM O GRUPO JL

Desde o dia 19 abril, conforme nota assinada pelo Presidente do Grupo JL, estamos discutindo a formatação de potencial parceria entre nossas empresas.

As negociações nunca foram suspensas e seguem no ritmo esperado em negócios com essa complexidade.

Reafirmamos o nosso integral compromisso com a ética, respeito às Instituições, à sociedade, ao mercado e, especialmente, a todos os que fazem o Grupo JL.

Robert Lyra -Presidente Delta Sucroenergia”.

Um crise que afeta 3 empresas e mais de 10 mil empregos em Alagoas

O mercado especula que Bob Lyra pode assumir o comando  de todas as cinco usinas do Grupo JL. São três unidades em Alagoas (Uruba, Guamuxa e Laginha) e duas em Minas Gerais (Vale do Parnaíba e Triácool). Somente em Alagoas as empresas são responsáveis pela geração, hoje, mesmo com a crise, de mais de 10 mil empregos diretos.

O controle seria assumido por Bob através de arrendamento, transferência do controle de 50% mais um das ações do Grupo JL. Os detalhes não foram revelados.

A crise financeira que afeta o Grupo João Lyra, que já foi um dos maiores do Brasil, se agravou a partir de 2008, quando o empresário fez um pedido de recuperação judicial (antiga concordata) para negociar dívidas com bancos – inclusive internacionais. O valor do débito é desconhecido. Só com um banco da Inglaterra passa dos US$ 70 milhões. A dívida total, incluído débitos com fornecedores, passaria de R$ 1 bilhão.

A parceria com Robert Lyra, que vem negociando com João Lyra, segundo pessoas ligadas aos dois empresários, desde fevereiro deste ano, poderá estacar a crise  no grupo e marcar o começo da recuperação das empresas em Alagoas e Minas Gerais.

Há quem diga que o maior interesse de Robert seria assumir, de imediato, o controle das duas usinas Minas Gerais, onde a Delta já atua. Como não foram fornecidos maiores detalhes essa hipótese continua no campo da especulaçã.

Leia a nota do grupo JL divulgada no dia 23 de abril

“A presidência do Grupo João Lyra, através do empresário João Lyra, em conjunto com a presidência do Grupo Delta Sucroenergia, através do seu presidente Robert Lyra, vem à público informar que estão em avançado processo de negociação e que poderão em breve anunciar ao mercado a conclusão desta parceria”.

Quem é Robert Lyra

Empresário com atuação em MG (onde controla três usinas e uma produção de mais de 10 milhões de toneladas por safra), Bob Lyra é filho de Carlos Lyra e sobrinho de João Lyra. Ele atuou em Alagoas até a década passada e, depois de entendimentos com a família, concentrou seus negócios em Minas Gerais. Bob é considerado um empresário arrojado, bem ao estilo do seu pai e do seu tio, nos tempos áureos.

Perspectivas

O Grupo JL, como se sabe, enfrenta uma crise financeira e um processo de falência. A associação com a Delta pode reverter o processo falimentar, com a recuperação das unidades industriais. O potencial de produção em Alagoas é de 3 milhões a 4 milhões de toneladas de cana própria. Em MG o potencial de processamento de cana é maior, dependendo da capacidade de investimentos.

A dívida do Grupo JL é desconhecida oficialmente, mas é estimada por quem conhece o processo de recuperação judicial, em mais de R$ 1 bilão. A maior parte do débito é com bancos, mas socialmente o maior problema é a dívida com fornecedores, principalmente de cana, e trabalhadores. Atualmente o pedido de falência do grupo, que está sendo julgado no TJAL, está suspenso por conta de um pedido de vistas do desembargador Tutmés Airan.

 

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. cicero josé da silva junior

    estamos com esperança que tudo vai dar certo com as negociaçôes
    de bob lyra com o seu tio empresário joão lyra
    si deus quiser vai dar tudo certo em nome do senhor jesus
    OBRIGADO

  2. Marcos Andre

    Prezado Jornalista, você poderia ao menos fazer a revisão do seu texto. Escrever um “Bilão”… É uma piada!

Comments are closed.