É grave a crise: falta até sementes de cana em Alagoas
   3 de maio de 2013   │     19:47  │  1

O setor sucroalcooleiro de Alagoas vive uma das maiores crise de todos os tempos. Os resultados da safra 2012/2013, divulgados hoje, mostram que o prejuízo das usinas chega a R$ 600 milhões.

A produção agrícola caiu mais 14%, de  27,70 milhões de toneladas para 23,79 milhões de toneladas.  Pior: além da quebra de safra por conta da seca, as usinas também enfrentaram baixos preços do etanol e do açúcar.

“Em função desses dois fatores as indústrias deixaram de faturar pelo menos R$ 600 milhões”, estima o presidente do Sindaçúcar-AL, Pedro Robério Nogueira.

A situação dos fornecedores de cana é ainda pior. Segundo a Asplana a redução na safra dos produtores foi de 20% na safra 13/14.

Pior é que os produtores já sabem que a próxima safra será menor, também em função a seca: “o que perdeu, está perdido. A cana está pequena e vai crescer pouco daqui até amoagem. Além disso, perdemos muita soca de cana por conta da seca”, revela o presidente da Associação dos Plantadores de Cana de Alagoas (Asplana), Lourenço Lopes.

Nesse cenário, mesmo quem tiver recursos para replantar o canavial (situação rara)  vai enfrentar dificuldades. De acordo com a as Asplana a renovação dos canaviais para a próxima safra está comprometida. “Está faltando semente de cana. Nem tem na usina, nem tem no fornecedor”, revela Lopes.

“Não temos sementes disponíveis para fazer a renovação do canavial que foi perdido com a estiagem prolongada que castigou Alagoas e toda a região Nordeste. As mudas de cana não existem”, reforça Lopes.

Para o diretor Técnico da Asplana, Antonio Rosário, os três meses de chuva previstos para Alagoas pelo serviço de meteorologia não são suficientes para a renovação dos canaviais.

“Temos a certeza que a próxima safra será bem pior que a 12/13”, alertou Rosário, afirmando que os fornecedores de cana particulares são responsáveis pela produção cultivada em 150 mil hectares de cana do Estado. “O restante, é de propriedade das usinas”, completou.

Para recuperar as perdas seria preciso renovar pelo menos 40% dessa área.

Segundo Rosário, para se plantar um hectare de terra são necessárias, aproximadamente, 15 toneladas de cana que deve gerar um custo ao produtor rural estimado em R$ 5 mil, caso o plantio não seja irrigado.

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. S.F.LIMA

    os usinaços estão levando todas as sementes de canas para MINAS GERAIS,MATO GROSSO,GOIAS E ATÉ MESMO SAÕ PAULO.SALVE ALAGOAS,TERRA DOS USINEIROS.

Comments are closed.