Alagoas pode perder competitividade com unificação do ICMS
   6 de maio de 2013   │     14:58  │  1

A Comissão de Assuntos Econômicos do Senado vota amanhã a redação final a proposta de unificação do ICMS feita pelo governo federal. O objetivo da União é acabar com a “guerra fiscal” e unificar as alíquotas interestaduais (hoje em 7% e 12%) em 4%.

Com essa mudança, que será gradual a partir de 2014 até 2025, estados menores e mais pobres, com um pequeno mercado consumidor e deficiente em infraestrutura não terão mais  “argumentos convincentes” para atrair indústrias. Esse é o caso – anote aí – de Alagoas.

Keylle Lima, da Secretaria Adjunta do Desenvolvimento, admite que a nova legislação vai dificultar ainda mais a atração de indústrias para Alagoas: “a maioria das empresas não vai querer se instalar no Nordeste se não conseguirmos oferecer atrativos”, pondera.

“O ideal seria manter a legislação atual. Se não for possível, o melhor para o estado seria o substitutivo que cria alíquotas de 4% e 7%”.

O governador tucano Geraldo Alckmin, de SP, se reuniu com a presidente Dilma Rousseff, essa semana,  para tratar do projeto em tramitação no Senado que prevê a unificação gradual das alíquotas do ICMS para operações interestaduais. Ele defende uma só alíquota. Não é para menos. O estado dele é quem mais tem a perder com a implantação de indústrias no Nordeste.

Aprovada da unificação, Alagoas terá de usar a criatividade para atrair novas indústrias, avaliam os especialistas: “o ideal é apostar em setores onde o estado tem diferencial competitivo na questão da matéria prima (caso da indústria química e cana-de-açúcar) ou potencial de consumo. Qualquer empresa que não se enquadre nesse perfil não terá interesse de vir para o estado” , diz um economista.

 

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Supply Side

    É importante ressaltar que não há evidência que essa política de atração de indústrias gere crescimento econômico. A teoria econômica moderna não referenda essa “hipótese”.

    Querem gerar desenvolvimento? Melhorem o sistema educacional, o sistema de saúde e o ambiente institucional.

Comments are closed.