Paulão x Judson: deputados se enfrentam pelo controle do PT
   6 de maio de 2013   │     22:51  │  0

O deputado estadual Judson Cabral será candidato a presidente do diretório regional do PT em Alagoas. A disputa no voto direto será provavelmente contra federal Paulo Fernando dos Santos.

Paulão deve ser candidato a presidente do diretório regional do PT em Alagoas representando a tendência (Construindo um Novo Brasil), do ex-presidente Lula. Judson representa a corrente A Mensagem (ligada ao ministro da Justiça, Eduardo Cardozo, e ao governador do Rio G, do Sul Tarso Genro).

Cabral avisa que não sairá sozinho: “estamos nos articulando com outras correntes e vamos ter uma chapa forte, para vencer”.

Mas, ganhe quem ganhar, lembra o deputado, a composição do diretório será proporcional: “cada corrente interna será representada na executiva do partido de acordo com o número de votos que seu candidato a presidente tiver”, adianta.

Missão

Ex-presidente do partido no estado e deputado federal, Paulão admite que pode ser o nome da CNB  para a disputa pela presidência diretório estadual, atualmente ocupada por Joaquim Brito, que também é da mesma corrente.

Ele considera a tarefa um desafio, em função do mandato em Brasília, mas está disposto a encarar se tiver a participação na executiva de nomes como o do próprio Brito e de Ronaldo Medeiros.  Para Paulão o PT de Alagoas tem de se unificar, no estado, com o objetivo de formar um palanque forte para a reeleição de Dilma Rousseff: “a prioridade, acredito, será reeleger a atual bancada de deputados, ampliando um pouco se possível, e garantir o palanque da campanha de presidente. A participação nas majoritárias depende disso”, resume.

Pelo menos nesse ponto Judson concorda com ele:  “a prioridade do PT será a eleição nacional, mas isso não impede que o partido construa alianças melhores e mais avançadas no estado”, diz.

Essa disputa pode ir também para as urnas em 2014. Paulão é candidato à reeleição e Judson se depender de sua vontade também sai candidato a deputado federal: “não tenho amora a cargos. Estou pronto para a encarar esse desafio”, enfatiza.