Subvenção da cana e do etanol vai injetar R$ 180 milhões na economia de Alagoas
   22 de maio de 2013   │     12:13  │  2

A MP 615 autoriza o governo federal a pagar uma subvenção emergencial de R$ 12 por tonelada de cana produzida por produtores independentes e de R$ 0,20 por litro de etanol efetivamente produzido para o mercado interno no ano safra 2011/2012.

Considerando as regras da MP, que limita o pagamento da subvenção de R$ 12 por tonelada no limite de até 10 mil toneladas por produtor, os agricultores de Alagoas vão receber entre R$ 60 e R$ 60 milhões. É um recurso que vai ajudar, avisa Lourenço Lopes, presidente da Associação dos Plantadores de Cana de Alagoas (Asplana), chega na hora certa: “vai ajudar a recompor os canaviais, castigados pela maior seca dos últimos 50 anos”.

Já a subvenção para o etanol deve injetar entre R$ 100 milhões e R$ 120 milhões nas usinas de Alagoas, em função do volume de produção do estado para o mercado interno – cerca de 600 milhões de litros.

Assim como no caso dos produtores de cana, a subvenção vai socorrer as usinas do estado a sair da maior crise que enfrentaram na história recente do estado.

Somados, os repasses para fornecedores de cana e usinas devem girar em torno de R$ 180 milhões. A boa notícia é que com esses recursos muitas empresas que está em débito, ainda a esta altura, com os produtores de cana, poderão honrar seus compromissos.

Esses recursos vão circular na economia alagoana, especialmente na zona canavieira que anda de pernas bambas com a crise. Em Alagoas serão beneficiados mais de 7 mil produtores de cana e pelo menos 22 indústrias produtoras de etanol.

A medida

Publicada no DO da União de segunda-feira, 20, a MP 615 autorizou o pagamento de auxílio extraordinário aos produtores da safra 2011/2012 de cana-de-açúcar e aos produtores de etanol da Região Nordeste.

O pagamento extraordinário visa a beneficiar os produtores independentes, atingidos pela estiagem, durante a colheita 2011/12. O recurso será concedido diretamente ou por intermédio das cooperativas.

O pagamento do auxílio será feito em 2013 e 2014, “referente à produção da safra 2011/2012 efetivamente entregue a partir de 1º de agosto de 2011”.

A medida trata também do financiamento da renovação e da implantação de canaviais com equalização da taxa de juros, arranjos de pagamentos e instituições de pagamento integrantes do Sistema de Pagamento Brasileiro (SPB).

Leia a íntegra da MP 615:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Mpv/mpv615.htm

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. cuidados com eles

    OLHA, QUANDO MANDAM DOZE PARA AJUDAR AOS SERTANEJOS, ELE GASTA E SOMENTE REPÕE QUANDO GRITAM. JÁ PENSOU ESSE MONTÃO? SERIA MUITO MAIS METAL SONANTE PARA RECHEAR OS BOLSOS. DEIXEM PARA MANDAR ASSIM QUE ELE, O TEOTONIO, SAIR. CUIDAOS E, MUITOS, COM ELES QUE NÃO SÃO CONFIÁVEIS.

  2. Valdeck

    Bom, parece que os anos se vão, as décadas se vão, os governos idem e as mesmas benesses continuam as mesmas com a farra do erário público para a velha e moribunda elite canavieira. Desta forma, o Estado alagoano jamais sairá do atraso, porque está apeado pelas rédeas das famílias usineiras, enquanto não diversificarmos a produção, porque permanecemos monocultor desde as Capitanias Hereditárias. E enquanto continuarmos a colocá-los no poder executivo, tal qual o atual governador desse Estado, que logicamente defende seu patrimônio canavieiro e por consequência de seus amigos produtores da planta de nome científico Saccharum, em detrimento da maioria da população alagoana que sofre com os escorchantes preços do Etanol. Somos autossuficientes, somos exportadores do produto, somos os maiores e os melhores, mas, pagamos um preço muito alto na bomba, onde concluo que estamos pagando a produção enquanto os produtores estão sem custo algum dessa produção, alguém duvida? Hoje em postos de São Paulo, foi possível abastecer com gasolina a R$1,50 livre de impostos, se a gasolina estava com esse preço, imagine o etanol, quanto pagaríamos livre de impostos? Isso nos leva a crer que os moribundos canavieiros estão lucrando muito mais do que o devido, além de cartelizar o produto. Qual é o posto de gasolina que tem preço diferenciado? Qual é o posto de gasolina que tem preço competitivo, aqui em Alagoas? E alguém duvida que esses usineiros vão pagar e honrar os compromissos firmados com essa mamata governamental? Enquanto isso, no fantástico mundo das Alagoas…

Comments are closed.