Quem tem ações da Telasa e não sabe, está perdendo dinheiro
   9 de junho de 2013   │     21:18  │  14

Sabe aquele dinheiro que você tem, mas não sabe que tem? Quem comprou linha de telefone da antiga Telasa entre os anos 70 até 1997 pode ter uma boa poupança “esquecida” no banco.

A história é simples: quem comprou linhas telefônicas fixas no Brasil  naquela época terminou virando acionistas da Telebras, mesmo sem ter plena consciência disso.

Para saber se tem ou não direito e quanto tem, o interessado deve ir até uma agência do BB para fazer uma consulta. A consulta é gratuita. E a venda de ações da Telebrás pode ser feita sem intermediários.

Apesar disso, empresas especializadas e escritórios jurídicos passaram a atuar representando interesses dos acionistas em processos na Justiça, pedindo a correção do valor das ações.

Em outros estados, a Justiça tem dado ganho aos reclamantes que conseguem valores até 10 vezes maiores do que os que constam na consulta que é feita no banco.

O advogado Joaquim Pontes de Miranda Neto, do escritório de advocacia JPM, de Maceió, explica que ao subscrever as ações, as empresas não corrigiram o valor. “Quando houve a privatização, a prática das empresas foi de não corrigir o valor da ação e os acionistas tiveram o número de cotas reduzidas. Afora isso, os acionistas também deixaram de receber ao longo destes anos os dividendos a que têm direito”, explica.

O escritório já entrou na Justiça, em Maceió, com o primeiro processo reclamando correção e o pagamento dos dividendos a um grupo acionistas. Ainda este mês, o advogado adianta que vai entrar com outros processos, representando cerca de mil acionistas.

O trabalho, explica o advogado é feito para a empresa SDM Consult, que faz a pesquisa e levantamento de dados junto a OI. Instalada no edifício FSoares,na rua do Sol,  no Centro de Maceió, a empresa faz pesquisa mais aprofundada para descobrir se o acionista tem direito a correção e de quanto.

De acordo com Marcos Pereira, um dos sócios da SDM, “o serviço envolve o levantamento do histórico do acionista no sistema Telebras, do momento da compra da linha telefônica até hoje. Usamos vários procedimentos, inclusive o envio de pessoas até a sede da OI no Rio de Janeiro. O passo seguinte é entrar na Justiça, cobrando a diferença a que o acionista tem direito”, explica.

A empresa, reforça Marcos, presta consultoria a clientes interessados em cobrar na justiça a correção das ações. “A consulta pura e simples é gratuita e pode ser feita na SDM ou no banco. O contrato só é realizado com aquelas pessoas que tem interesse em cobrar a diferença. Nós fazemos uma projeção, com base em números do mercado e nas decisões já tomadas pela Justiça e a pessoa pode ou não fazer o contrato com a nossa empresa”, explica.

De acordo com a SDM , o valor do contrato com quem tiver interesse no processo é de R$ 150 mais R$ 46 para registro de procuração em cartório. “Esses valores cobrem os custos iniciais, mas o que visamos, efetivamente, é ganhar a ação na Justiça, o que dará para a empresa e para o acionista um ganho bem maior”,enfatiza o sócio da SDM. Em caso de ganho da causa, o interessado paga 25% sobre o valor ganho na Justiça.

Como tudo começou e qual o valor que o acionista tem direito a receber

O valor a que cada acionista tem direito a receber varia de pessoa a pessoa. Vai depender da quantidade de ações e da cotação da ação no dia em que fizer a consulta. As ações hoje estão cotadas a R$5,29, valor atingido após a forte valorização a partir de 2009 (em 2008 a ação valia R$ 0,30).

Em Alagoas a Telasa, que depois da privatização no governo FHC,  virou Telemar e OI, vendeu cerca de 28 mil linhas no período. Como não tinha recursos para fazer a ampliação, o governo federal financiou a expansão do sistema Telebrás com o dinheiro com os consumidores.  Para comprar uma linha de telefone, o interessado era obrigado a adquirir as ações da estatal Telecomunicações Brasileiras S.A. (Telebras).

Mesmo quem vendeu a linha continua sendo acionista e pode ter direito a receber um valor que chega a R$ 5,29 por cada ação – na cotação desta semana.

A orientação da CVM é que o antigos participantes dos planos de expansão da telefonia verifiquem se realmente ainda detêm ações da Telebrás.  Para isso, basta entrar em contato com as instituições financeiras que prestam serviço de atendimento aos acionistas. No caso de Alagoas, é o BB. O interessado deve procurar o banco com um documento de identificação e CPF, para se tem direito e qual valor do crédito em dinheiro. Pessoas físicas ou jurídicas podem solicitar o saldo das ações no banco.

COMENTÁRIOS
14

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Antonio José dos santos

    dei entrada

    para receber as ações em 15.10.2013,ate hoje não me dero resposta neuma, ligo par o telefone que me dero,este não exista,como é que devo saber quando vou receber?me liga para me da uma noticia meu telefone é( 82)8804-2225 aguado uma boa noticia

  2. RENIVALDO COSTA DA SILVA

    TIVE UMA LINHA TELEFONICA DA ANTIGA TELASA DURANTE VARIOS ANOS.
    ATUALMENTE RESIDO EM NATAL-RN. COMO SABER SE TENHO CRÉDITO DE AÇÕES A RECEBER?

  3. cristiane de oliveira

    bom sei que meu pai tinha umas quatro linhas quero fazer uma pesquisa mas moro em recife e não posso me ausentar tem alguna maneira de entrarmos em contatos para vc resolver isto para mim.

    atenciosamente, obrigado

  4. José Aldo Buarque de Mendonça

    Se fosse verdade? Primeiro; sou cliente do BB e não consta nenhuma movimentação registrada de valores correspondente a estas ações oriundas da antiga telasa e suas sucessoras. Portanto, fica o dito pelo não dito. Segundo; as pesquisas com o nome da pessoa interessada realizada por este Escritório apresenta apenas um valor que não é demonstrado para o cliente interessado a sua necessária definição: quantidade de ações, valores de dividendos etc; sem falar na cobrança dos honorários de 25% que vai de encontro ao estatuto da OAB-AL, sem explicações ainda que o cliente ainda está sujeito a tributações pelo imposto de renda e talvez pela previdência, pelo que se conclui que o interessado dono deste “patrimônio” será o que menos irá usufruir do resultado desse “patrimônio”. Se possível responda.

  5. jose maria barbosa avila

    Edvaldo,
    Você tem notícia se alguém, recentemente, recebeu essas ações? Estou ouvindo muita conversa na rua, Advogado fulano de tal etc, mas de concreto nada.

  6. Duvidosa

    O que fazer quando a pesquisa do feita no BB diz que não há nada a receber e a pesquisa realizada na empresa SDM consta saldo??complicado né.

    1. felipe

      SDM o que significa tou em dúvida não sei o que é? meus caro amigos por gentileza me expliquem e onde se localiza essa empresa aqui em maceio. obrigado

  7. PêCê

    EDIVALDO, ESSA PESQUISA, JÁ QUE PODE SER FEITA ATRAVÉS DO BB, NÃO PODERIA SER FACILITADA NOS CAIXAS ELETRÔNICOS OU ATÉ MESMO ATRAVÉS DA INTERNET???

  8. Daniel Roberto coreia St Ritta

    Achei louvável esta matéria pelo fato de mostrar a sociedade Alagoana a possibilidade de resgatarmos algo com certo valor que não era do nosso conhecimento mas nos pertencia de fato e de direito. meus pais (ja falecidos) possuíram linhas telefônica na época citada, eu sabia que eu não possuíra mesmo assim enviei meu CPF,Data de nascimento e nome completo junto aos deles para a pesquisa. Constatei que não possuíra nenhum direito de resgate como ja esperava, diferente dos meus pais que foi confirmado as linhas que justamente tenho em mãos ainda documentadas.
    parabenizo a empresa SDM por tamanha responsabilidade assumida e pela credibilidade passada.

  9. Queiroz

    Observo na matéria uma GRANDE propagando do escritório em questão, proibido este pelo estatuto da OAB. Se for possível, em nome da ética e dos princípios, que o caro colega modifique a matéria.

Comments are closed.