Reforma política: João Caldas está com um pé dentro do governo Vilela
   15 de junho de 2013   │     13:29  │  1

Ao seu estilo – sem pressa mesmo – o governador Teotonio Vilela Filho iniciou esta semana um processo de reforma política no governo.

Na segunda-feira saiu no DO a nomeação de Renatinho Rezende para a Secretaria Adjunta da Ação Social e na quarta foi a vez de Marcos Ferreira para o Escritório de Representação de Alagoas em Brasília.

Anote: a próxima nomeação será a de João Caldas. Para onde? Ninguém dá pistas. Mas ontem o presidente do PEN Alagoas e primeiro suplente de deputado federal teve o terceiro encontro seguido com o governador em três dias.

Téo Vilela disse textualmente que quer “João Caldas mais próximo”. O que eles conversaram? Tudo! Inclusive sobre opções de cargos a ser ocupado por JC.

É provável que seja uma Secretaria ocupada pelo próprio ou por algum nome próximo, a exemplo a esposa dele, Eudócia Caldas.

Vão aqui algumas pistas: as secretarias da cota pessoal de Vilela e ocupadas por “técnicos” estariam fora da lista (Fazenda, Seplande, Gabinete Civil, Articulação Social entre outras). As secretarias que estão na cota de deputados, senador e vice (Educação, Sepaz, Ação Social e Agricultura) também.

Afora essas secretarias, “tudo é possível”.

 Jogo 

Candidato ou não, o governador dá sinais de que está num lado do tabuleiro, com as peças na mão.

É mais um sinal de que, no jogo da sucessão, 2014 não estão tão longe como se pensa.

Há quem diga – e eu acredito – que as mudanças não vão parar por aí.

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. jose antonio dos santos

    É uma vergonha essa acomodação de figuras politicas rejeitadas pela população e que num conluio recebem emprego pela incompetência de suas atitudes. Não deveria ser assim, cargo público deve sempre ser preenchido pelo critério da competência e probidade, mas os gestores não entendem dessa forma, acham que administram como se fosse uma propriedade privada. A população está ensaiando que pode deixar de ser besta!.

Comments are closed.