O povo na rua manda avisar: estádio não enche barriga
   17 de junho de 2013   │     21:45  │  5

Num papo dentro do carro hoje (na volta da inauguração da fábrica Bauducco, em Rio Largo) parei para fazer uma avaliação, quase por acaso, dos protestos que vêm ganhando as  ruas do país nos últimos dias e que dominam o noticiário desta segunda-feira.

Eu estava de carona com o diretor do Detran-AL, Lúcio de Melo e com Max Trindade, hoje na assessoria do vice-governador, mas que já foi taxado de “primeiro-ministro” na primeira gestão do prefeito Cícero Almeida, em Maceió (2005 a 2008).

O trânsito lento em direção à Maceió deu chances para várias conversas, inclusive para avaliar o movimento popular que toma conta das ruas brasileiras.

Repito aqui minha opinião: é pura fadiga. Quem trabalha, quem produz, cansou de pagar a conta e não desfrutar de nada. Sem saúde, sem educação, sem segurança, a chamada classe média carrega o fardo da responsabilidade nas costas.

Tem que pagar imposto, tem que trabalhar, tem que engolir a corrupção (sem cuspe), tem que pagar escola e plano de saúde. Paga e não leva nada. O transporte público é caro e não presta. O plano de saúde, idem. Quem tem carro fica parado no engarrafamento, quem tem moto vive sempre perto da morte.

Quem é rico ou pobre foge a regra e não sabe o que é engarrafamento. Os mais ricos têm motorista e podem até pegar helicóptero. Os mais pobres podem até andar de cinquentinha na contramão em plena Fernandes Lima, na boa.

Se for pego no erro, o rico tem bons advogados e uma grande rede de influência. Quem está abaixo da linha de pobreza pode traficar, pode roubar e furtar, pode falsificar documento para receber bolsa família e tudo bem, porque é “pobre”.

A “salsicha” do pão, quem está no meio, em contrapartida paga cada vez mais caro e é claro que a insatisfação aumenta a cada dia.

O governo combinou com a Fifa a construção de estádios caros, com gastos bilionários, e cobra até R$ 3 mil por um ingresso. É um festa para poucos.

O povo nas ruas quer transporte público de qualidade e manda avisar que não come estádio.

Quantos brasileiros irão ver os jogos da copa? Menos de 1% da população vai para os estádios na copa. Os 99% que não vão participar da festa e não foram consultados sobres esses gastos protestam contra as despesas que não trarão benefícios para o povo.

Quem ganha com os jogos elitizados e com os patrocínios milionários do futebol?

Neymar faz propaganda de Gol da VW, mas anda de Maserati. O Felipão ganha um extra do Guaraná Antarctica, enquanto a CBF vende por milhões e milhões cada centímetro da camisa da seleção e o torcedor paga os olhos da cara para ver um jogo no estádio.

O futebol, seja na copa ou no brasileirão, é um evento privado, mas todos nós pagamos a conta: da construção dos estádios, da segurança pública e muitas vezes até do patrocínio aos clubes, como acontece em Alagoas.

Lazer e cultura são obrigações do Estado, mas não necessariamente no campo de futebol. Tem coisa melhor e de menor custo para se fazer com o dinheiro público.

COMENTÁRIOS
5

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Marcos

    Quando o povo acorda, os Governantes não conseguem dormir. Nós somos os verdadeiros donos desse país e não compactuamos com nenhum tipo de corrupção: IMUNIDADE PARLAMENTAR; ROUBAR DINHEIRO PÚBLICO E NEM SER PRESO E DEVOLVER O ROUBO; PROFESSOR RECEBER MENOS QUE UM DEPUTADO; PLANO DE SAÚDE PRA RICO E SUS PRA POBRE; COLÉGIO PRA RICO E ESCOLA PRA POBRE.

  2. Carlos

    Edvaldo,

    O fato é que muitos já começaram a perceber que os governos Dilma e Lula não foram e não são só flores. NUNCA SE VIU TANTA CORRUPÇÃO E ROUBALHEIRA QUANTO NO GOVERNO DESSAS DUAS PERSONAGENS DA POLÍTICA BRASILEIRA. E eles ficam enganando a população principalmente a classe paupérrima com “bolsa disso, bolsa daquilo, vale disso e vale daquilo”. Pouco a pouco, o preço das coisas vão aumentando e enquanto isso, a situação da Educação, Saúde, Segurança e Transporte é crítica. Por isso, a presidenta ficou fora de si quando um/uma repórter perguntou lhe por que a inflação estava subindo. Eu sempre achei estranho o País não estar as mil maravilhas e o índice da presidenta estar sempre lá em cima. Agora, várias pessoas, de alguma maneira, resolveram colocar para fora, sua indignação por aumento de passagem, corrupção, construção de estádios para os quais só vão assistir jogos quem tem boa condição financeira e que depois podem virar elefante cinza, etc.. Vamos torcer para que no ano que vem (Ano de eleição e de Copa do Mundo no Brasil) não haja manifestações e protestos e que se porventura houverem que não descambem para a depredação, vandalismo e violência.

  3. Silvio Santana

    Seu comentário foi perfeito pois sintetizou como eu me sinto. Eu quero um bom hospital para meu filho portador de necessidades especiais, quero metrô por toda a cidadade, quero parques limpos e bem cuidados, quero escola pública com laboratórios, biblioteca e professores bem pagos. Eu paguei e pago caro or tudo isso, mas estão me entregando apenas estádios superfaturados. Estou cansado de ter de pagar duas vezes por tudo!!!

  4. Alagoano

    Mais tem politicos alagoanos envolvido nessa falta de respeito ao povo Alagoano ao povo Brasileiro, Como o Senador Fernando Collor e o Senador Renam Calheiros que criticam tanto ao Governador Teotonio vilela que esquecem de ajudar ao povo Alagoano. No momento é só campanha como trazer o pessoal da caixa para patrocinar o time do ASA de Arapiraca isso tbm é investimento com o dinheiro do povo com futebol. A verdade é nosso pais estar entregue a essa corja de politicos que só pensam em seu proprio patrimonio.

Comments are closed.