Aftosa: AL foi prejudicado com atraso de informações do Ministério, diz Adeal
   21 de junho de 2013   │     14:42  │  1

O bicho pode não ser tão feio como se pinta. O presidente da Agência de Defesa Agropecuária de Alagoas (Adeal), Marcelo Lima, contesta o relatório do Ministério de Agricultura que aponta o estado como o pior em desempenho no atendimento de recomendações do Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa.

De acordo com Marcelo Lima, muitos dos itens considerados em atraso pelo relatório do Mapa já foram executados ou estão em execução. A informação é reforçada pelo diretor técnico da Adeal, Ironaldo Monteiro: “por alguma razão a superintendência do Ministério em Alagoas deixou de repassar essas informações para Brasília, mas acredito que logo essa questão será resolvida”.

A seguir, o texto distribui ido hoje pela assessoria da Adeal:

Adeal solicita ao Mapa atualização do Plano de Ações

Iniciativa tem objetivo de confirmar – mais uma vez – os avanços do Estado na execução das ações pactuadas com o Ministério da Agricultura no combate à aftosa

Ascom Adeal

Em reunião realizada em Brasília com a Diretoria de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) a Adeal solicitou que fosse atualizado os dados de avaliação do Plano de Ação de Recomendações do Ministério da Agricultura.

A iniciativa do órgão de defesa alagoano tem o objetivo de confirmar – mais uma vez – os avanços do Estado nas ações pactuadas com o Mapa e que colocam Alagoas entre os Estados com melhor desempenho no circuito agropecuário nordestino.

Para este fim, já foi agendada uma reunião com representantes da Superintendência Federal da Agricultura em Alagoas (SFA/AL), na próxima quarta-feira, dia 26, na sede do órgão federal, em Maceió.

Resultado

A Adeal esclarece ainda que o inquérito soroepidemiológico em Alagoas já foi concluído e aprovado dentro do prazo estabelecido pelo Mapa.

No entanto, a divulgação do resultado final da pesquisa – para verificar a circulação do vírus da aftosa – depende ainda do trabalho que está sendo realizado em outros Estados nordestinos.

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. ADEMILSON

    Será que isso é apenas falta de comunicação? Acho que não caro diretor, não queira tapar o sol com a peneira.

Comments are closed.