O descaso na saúde: governo constrói UPAs e UBS e abandona hospitais
   7 de julho de 2013   │     16:37  │  9

Ronaldo Medeiros foi a Delmiro Gouveia no começo desta semana e voltou de lá convencido de que a gestão da saúde é um fracasso – em todos os níveis.

O hospital regional Antenor Serpa, da cidade, é um abandono só. Não tem dinheiro para o básico do básico.

Enquanto isso o governo (federal, estadual e municipal) gastou uma fortuna para construir duas novas unidades de saúde – uma Unidade de Pronto Atendimento, UPA e Unidade Básica de Saúde, UBS – que estão prontas fechadas há dois anos.

O que faz a prefeitura? Tem uma casa de apoio em Maceió. O fluxo é tão grande que são três vans por dia fazendo o transporte de doentes para a capital – afora os pacientes graves, que chegam de ambulância.

Jogando dinheiro fora

O deputado estadual do PT diz que não adianta construir unidades se o custeio não estiver garantido. “É lamentável ver o governo investir na construção de novas unidades e abandonar completamente o hospital que antes servia a toda região”.

A UPA pronta e fechada há dois anos precisa de R$ 800 mil mês para funcionar. A UBS, mais R$ 250 mil. “Enquanto isso o diretor do hospital, Petrúcio Bandeira, precisaria de R$ 500 mil mês para a unidade funcionar atendendo a cidade e a região”, explica.

A mesma situação acontece em Palmeira dos Índios, denuncia o deputado do PT: “é lamentável ver que a União, o estado e a prefeitura vão quebrar o hospital do município, que é uma referência para Alagoas, para funcionar uma UPA que não vai atender as necessidades da cidade”, lamenta.

COMENTÁRIOS
9

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. jose antonio dos santos

    Dia 11 estão marcando um protesto nacional, aqui não prejudiquem a população, se reunam vão para as empresas do governador, sede do governo e prefeitura, residências desses gestores incompetentes, mentirosos, desastrados!.

  2. jose antonio dos santos

    Para os politicos ladrões crime hediondo é muito pouco, teria que ser implantado no país, pena de morte!. Vejam, a China acaba de decretar pena de morte para o seu ex-ministro de transporte de ferrovia, para manerar a figura foi condenada a prisão perpetua, o ruim é que vai permanecer dando despesa e quem paga a conta é a população. Na Holanda, vários presídios estão para serem fechados por FALTA DE PRESOS, o Brasil deveria fazer um acordo para deportar para as prisões daquele país os ladrões de dinheiro público.

  3. jose antonio dos santos

    História da Carochinha: Renan paga R$ 32 mil por uso indevido de avião da FAB. Se verdadeira a noticia VAI PASSAR UM MÊS COM FOME, seu salário oficial é menos desse valor, coitado!. Ajudem, façam uma cotinha financeira para esse coitado.

  4. André

    Há três anos pedi demissão do Estado. Era cirurgião geral e o mal pagamento assim como a péssima estrutura de trabalho sem mínimas condições me fizeram tomar tal decisão.
    Hoje vejo que o dinheiro da saúde e da educação está nas mãos de políticos. Inclusive de médicos corruptos.

    O Brasil tem muito que aprender com o Chile e o Uruguai.

    Fora corrupção.

    1. CARLOS ENOCH BARROS

      CONCORDO COM O DR. ANDRÉ, MAS COM UMA RESSALVA. UM PAIS GIGANTESCO COMO O BRASIL NÃO PODE SER COMPARADO DIRETAMENTE COM CHILE E URUGUAI, É COMO COMPARAR SHAQUILLE O`NEAL COM UMA CRIANÇA DE CINCO ANOS. A BASE É EUA COM SUA MEDICINA CARISSIMA, INVIAVEL, RUSSIA, COM NOSSAS MESMAS MAZELAS, CHINA, UMA ICÓGNITA, INDIA, PIOR QUE NÓS E TALVEZ CANADÁ, ONDE UM AMIGO MÉDICO ME FALOU QUE TALVEZ FOSSE BOM PARA NÓS. MAS O CANADÁ TEM UMA POPULAÇÃO MUITO MENOR QUE A NOSSA. É COMO O SENHOR FALOU, TALVEZ O FIM DA CORRUPÇÃO FOSSE A SOLUÇÃO.

      1. André

        Prezado Carlos, visitei o Chile recentemente. Lá o voto não é obrigatório, são pouquíssimos deputados e os hospitais públicos são melhores que os nossos hospitais particulares. Perguntei a um taxista se lá o voto era eletrônico: a resposta: não o Chile é um país sério, e nossos votos têm a nossa assinatura.

  5. CARLOS ENOCH BARROS

    CARO DEPUTADO,CONCORDO EM PARTE, NO QUE SE REFERE A MUNUTENÇÃO DOS HOSPITAIS, PRINCIPALMENTE O SANTA RITA DE PALMEIRA. MAS AS UPAS SÃO MUITISSIMAS IMPORTANTES; POR QUE? PORQUE A MEDICINA EM HOSPITAIS DO INTERIOR É FEITA EM SUA MAORIA POR CLINICOS, QUE ATENDEM DOENÇAS SIMPLES E EM HOSPITAIS DESEQUIPADOS. VI EM UMA REPORTAGEM NA TV FECHADA, QUE O QUE MATA NO INTERIOR É INFARTO E AVC, E ISSO QUE INTERESSA. PERTO DESTAS DOENÇAS AS OUTROS SÃO TOLICES, E AI ENTRA AS UPAS, PREPARADAS E EQUIPADAS PARA DAR ESTE SUPORTE. SOU DE PILAR, AQUI PERTO, MAS O QUE JA MORREU DE GENTE POR FALTA DE DESFIBRILADOR, MEDICO E EQUIPES PREPARADAS, ELETROCARDIOGRAMA. TAI A FUNÇÃO DAS UPAS.

  6. José Luiz

    (RETIFICADO) Sr. Jornalista, como tudo neste país, não há planejamento. O Governo Federal – maior arrecadador de tributos – faz com Estados e Municípios fiquem minguando por recursos para dar sobrevida aos serviços públicos. Enquanto não houver uma política – séria e focada – viveremos as contradições que vivenciamos no nosso dia-dia. Não se trata de uma questão partidária, mas de índole dos políticos que formam esses partidos – que aliás nada representam. É preciso alterar a lógica de afirmar que não há recurso. Há recursos, mas falta priorizar e gastar com eficácia. Quanto ao alagoanos? Esses precisam, antes de saúde, EDUCAÇÃO.

  7. José Luiz

    Sr. Jornalista, como tudo neste país, não há planejamento. O Governo Federal – maior arrecadador de tributos – faz com Estado e Município fiquem minguando por recursos para dar sobrevida aos serviços públicos. Enquanto não houver uma política – séria e focada – não viveremos as contradições que vivenciamos no nosso dia-dia. Não se trata de uma questão partidária, mas de índole dos políticos que formam esses partidos – que aliás nada representam. É preciso alterar a lógica de afirmar que não há recurso. Há recursos, mas falta priorizar e gastar com eficácia. Quanto ao alagoanos? Esses precisam, antes de saúde, EDUCAÇÃO.

Comments are closed.