Cooperativa de AL vende farinha para merenda no DF, mas produtores não conseguem vender no Estado
   17 de agosto de 2013   │     22:30  │  0

As cooperativa de produtores rurais de Alagoas ainda enfrentam dificuldades para vender sua produção nas escolas estaduais e municipais alagoanas, mesmo com a lei federal que obriga a compra de no mínimo 30% da merenda a agricultores familiares.

Em texto que fiz aqui no blog, no dia 25 de junho deste ano  (http://wp.me/p2Awck-Wj) revelei que mais de 80% das prefeituras de Alagoas e o próprio estado ainda não cumprem a lei da merenda. Essa situação pode mudar com a interferência da AMA, que está estimulando o conato entre produtores e prefeituras.

Enquanto a situação não melhora, grupos mais organizados de Alagoas conseguem, no entanto, escoar a produção para outros estados. A partir do próximo mês, 654 escolas públicas de educação básica do Distrito Federal terão no cardápio farinha de mandioca produzida por agricultores familiares do agreste alagoano.

Cerca de 500 mil estudantes vão consumir o produto que será utilizado no preparo de pratos como feijão tropeiro e farofa.  A farinha é da Cooperativa Agropecuária de Campo Grande (Cooperagro), vencedora da Chamada Pública n° 02/2013, lançada pela Secretaria de Educação do DF.

O presidente da Cooperagro, Evaldo Pereira dos Santos, assinou contrato com assegurando a aquisição pelo Distrito Federal de 359 toneladas de farinha de mandioca. O contrato, no valor de R$ 1,7 milhão, terá duração de um ano e vai beneficiar 227 famílias de agricultores.

 A operação realizada pela cooperativa alagoana é tão relevante que está registrada em reportagem no site do MDA, que você pode ler no link a seguir: http://portal.mda.gov.br/portal/noticias/item?item_id=13901362