Senado pode inviabilizar subvenção para AL: e agora Renan?
   9 de setembro de 2013   │     12:47  │  0

A Câmara Federal decidiu que só vota MP vinda do Senado um dia depois que a matéria chega na Casa. O Senado quer pelo menos sete dias para apreciar MP aprovada pelos deputados federais.

Nem sempre os prazos são cumpridos. É o caso da MP 615 que prevê o pagamento da subvenção da cana e do etanol. O líder do PP na Câmara diz que a medida não foi votada por que chegou, na quarta-feira, 04: “originalmente a MP tem 16 artigos mas foi modificada pelo relator (senador Gim Argelo) e passou a contar com 48 artigos, muitos deles polêmicos. Não deu para votar na quinta”.

Arthur Lira ficou em Brasília para mobilizar os deputados do PP a votar a MP nesta segunda-feira, dia que normalmente não dá quórum. “Vamos fazer um esforço para ver se vota a noite”.

Isso porque se for votada na terça, a MP estoura o prazo do Senado e pode caducar. O problema é que a MP destina mais de R$ 400 milhões para os produtores de cana e de etanol e metade desses recursos deve vir para Alagoas.

E agora, Renan?

Há quem acredite que Renan Calheiros pode flexibilizar a regra, não só porque o prazo foi curto em função da demora de Gim Argelo, mas também porque a MP interessa e muito ao seu estado. A flexibilização seria possível a partir de um acordo de lideranças.

Pelo sim, pelo não, os fornecedores de cana estão fazendo sua parte. Lourenço Lopes, da Asplana, mandou telegramas e ligou para todos os deputados de Alagoas e na segunda embarca para Brasília, ao lado de outras lideranças do setor no Nordeste: “Acredito que vai dar quorum”,diz.