Apenas 32% dos eleitores de Alagoas são casados
   2 de agosto de 2014   │     17:21  │  0

Na hora de conquistar o voto do eleitor, tem candidato que apela para tudo. Das promessas megalomaníacas à pregação da fé, passando pelo bom humor, sátira, crítica e, principalmente, pela abordagem de temas mais relevantes em cada momento. Saúde, Educação, Segurança, Trabalho.

As pesquisas ajudam a traçar um perfil do eleitorado e das demandas da sociedade. O resto fica por conta dos marqueteiros.  Mas é comum, a cada eleição, surgirem candidatos que supostamente defendem os interesses de determinados segmentos da sociedade. Os segmentos preferidos, dos últimos pleitos, são os religiosos, mulheres, jovens, “minorias”, deficientes ou portadores de necessidades especiais etc etc etc.

Nas eleições deste ano o candidato que quiser apostar no que pensa e quer o eleitor a partir do seu estado civil, terá que começar estudando a vida dos solteiros, que representam, de longe, a maioria do eleitorado de Alagoas e do Brasil.

Se os números das Estatísticas do Eleitorado, divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral esta semana forem fiéis á realidade, mais de 6% dos eleitores de Alagoas não usam alianças. De acordo com o TSE, são 1.242 mil eleitores solteiros no Estado, o que representa 62,2%, do total de cidadãos (1.995.727) com direito a voto no Estado.

Os casados, quem diriam, representam apenas 32,4% do total, o equivalente 647,5  mil eleitores. O restante do eleitorado é formado por viúvos (49,5  mil eleitores), separados judicialmente (15,3 mil) e divorciados (41,7 mil).

Casado com quem?

O mais “esquisito” nessa história é que os números de homens e mulheres casados são bem diferentes. De acordo com o TSE existem 305 mil eleitores casados (47,1%) em Alagoas, enquanto o número de eleitoras casadas chega a 341 mil (52%). Ou as estatísticas estão desencontradas ou Alagoas está cheia de bígamos.

Outro dado “revelador” é a desproporção na categoria “viúvo”. São 41,3 mil viúvas (83,4%) para apenas 8,1 mil viúvos (16,6%). Decididamente, homem morre mais cedo.

Claro que esses percentuais não representam a “exatidão”. O voto é obrigatório no Brasil, mas não para todos. Alguns cidadãos no segmentos de jovens (entre 16 e 17 anos), analfabetos e idosos (mais de 70 anos) só votam se quiser. O voto “espontâneo” pode explicar as diferenças nas estatísticas.

Mais uma vez o número de mulheres supera o de homens

Não é novidade nesta eleição, nem será nas próximas.  na “guerra” do sexo as mulheres tem a seu favor um “batalhão” mais numeroso. Elas representam 53,5% do eleitorado. De acordo com o TSE Alagoas tem 1.069 mil eleitoras, um diferença a mais de 145 mil  na comparação com o número de homens aptos a votar este ano no Estado: 926 mil. Se mulher votasse apenas em mulher, elas ganhariam todas as eleições. Mas, essa é outra história.

Revelando os números

As tabelas a seguir foram preparadas com os dados do TSE:

eleitorado estado civil

eleitorado sexo