Avaliação do governo de Téo Vilela piora com a campanha eleitoral
   14 de setembro de 2014   │     16:35  │  3

Se o atual governador tem planos políticos para o futuro, terá pela frente o desafio de melhorar sua imagem. A falta de um uma chapa competitiva na campanha eleitoral deste eano está ajudando a piorar rapidamente a avaliação do governador Teotonio Vilela Filho e do governo de Alagoas.

Com pouco tempo na TV e recursos escassos, o candidato tucano ao governo, Júlio Cezar, não está conseguindo dar cabo – ao menos por enquanto, mostrar o que a gestão de Téo Vilela fez de bom.

Fora da campanha, o governador também não ajuda. Vilela até agora não apareceu na TV, nem para pedir votos, nem para mostrar o que fez ou vem fazendo.

Como o governo está proibido de fazer qualquer tipo de propaganda durante o período das eleições e tem sido alvo de críticas da maioria dos candidatos majoritários, a tendência é realmente de queda na popularidade.

Não deu outra.A avaliação do governo piorou na segunda pesquisa Ibope/TV Gazeta de Alagoas sobre as eleições 2014, divulgada nesta quinta-feira,11,  em relação ao primeiro levantamento, divulgado em 14 de agosto.

Segundo o Ibope, 24% do entrevistados disseram que a administração é “ótima ou boa”. Na primeira pesquisa a avaliação de “ótimo ou bom” era de 30%. A  avaliação de regular, que era 27% caiu para 26%.

Os que dizem que a administração é “ruim ou péssima” passaram de 36% em agosto para 41% em setembro.  O Ibope fez a pesquisa entre os dias 7 e 10 de setembro e ouviu 812 eleitores em 37 municípios.

Caso nacional

Na última pesquisa para presidente (realizada entre os dias 05 e 08 de setembro de 2014 com 2002 eleitores), divulgada no último dia 12, o Ibope mostra que a aprovação (um reflexo da propaganda eleitoral) do governo da presidente Dilma melhorou:

A atual administração federal é avaliada como ótima ou boa por 38% dos eleitores brasileiros, como regular por 33%, e como ruim ou péssima por 28%. Em relação à última pesquisa CNI/IBOPE realizada em junho deste ano, há uma melhora na avaliação do Governo Dilma Rousseff: os percentuais eram, respectivamente, 31%, 34% e 33%.

Eleitores que aprovam a maneira como a Presidente Dilma está governando o Brasil são 48% (eram, em junho, 44%), contra 46% que a desaprovam (50% na pesquisa passada). Aqueles que confiam na Presidente são 45%, enquanto 50% não confiam, (em junho, eram, respectivamente, 41% e 52%).

COMENTÁRIOS
3

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. trocado

    NÃO EXISTE DIFERENÇA; O PSDB, TROCADO POR TITICA É A MESMA COISA. O POVO FOI O GRANDE CULPADO EM ELEGER O TEOTONIO. TORÇO PARA QUE NÃAO ERREM DE NOVO VOTANDO NO FILHO DO SENADOR REI DO GADO DE OURO. VALHA-ME MEU BOM DIVIDO DEUS.

  2. Valdeck

    O atual e transitório governador de Alagoas Teotônio Vilela está colhendo o que plantou ao longo de quase 8 anos de mandato. O descaso com a Segurança pública em todo o Estado, a negligência na Educação, deixando em ruínas física e psicologicamente as escolas e todo o corpo docente e discente, a saúde pública caótica, sem atendimento condizente, sem medicamentos e com números elevados de mortes, inclusive neonatais. O Estado teve apoio Federal para reverter os péssimos índices em todas as áreas,acenando com a construção de UPAS, Força Nacional e Pacto pela Educação, porém o PSDBISTA deu de ombros.
    O funcionalismo público bastante massacrado pelo arrocho salarial, e sem estrutura física, de pessoal, foi ignorado pelo presunçoso governador. Mas sua presunção voltou-se contra si, ao escolher sozinho o procurador Eduardo Tavares, simplesmente porque queria um nome ilibado não só para garantir a eleição, mas para esquivar-se das críticas dos adversários políticos e da população que sofre com a política sórdida tucana. Sua atitude precipitou um racha no próprio partido, ocasionando uma debandada geral, inclusive do próprio candidato Eduardo Tavares. Açodadamente puseram outro candidato à eleição, como fizeram várias vezes trocando secretários de segurança, saúde e educação ao bel prazer de seu humor ao longo dos 8 anos de mandato.
    Mas as críticas não o atingem, seguro de ocupar uma vaga no TCU, Alagoas que simplesmente siga seu rumo pelejante, agora ainda mais pelejante com uma negativa herança econômica, com uma dívida impagável, social, com o pior IDH nacional, educacional sendo o último no ranking nacional. O que mais esperar do PSDB e do então governador de Alagoas Teotônio Vilela?

Comments are closed.