Nem pobres, nem ricos, nem esquerda ou direita, nem Dilma, nem Aécio; somos livres
   17 de outubro de 2014   │     18:24  │  3

Tentar entender quem iniciou a pregação do ódio na campanha eleitoral para presidente nas eleições deste ano é tão bobo quanto tentar responder se quem nasceu primeiro foi o ovo ou a  galinha.

Se foi governo ou oposição, não importa. O que importa é saber que o ódio, o acirramento do debate é algo que beira a estupidez. Especialmente para o eleitor, que não passa, nesse momento, de mera massa de manobra – ao menos é isso que pensam os marqueteiros.

Conheço ricos que votam em Dilma Rousseff e ricos que votam em Aécio Neves. A mesma regra vale para pobres, grupos sociais, partidos e ideologias políticas. PPS é de esquerda e está com Aécio. PCdoB é esquerda e está com Dilma. DEM é direita e está com Aécio. PP é direita e está com Dilma.

A segregação do Brasil entre regiões? O Nordeste de Dilma, o Sul de Aécio? A quem interessa dividir o brasileiro? Somente a quem quer o poder. É a velha lógica maquiavélica: dividir para governar.

Está na hora do eleitor cobrar propostas e compromissos. Afinal é isso o que todos querem, de fato, dos candidatos.

No dia 26 de outubro, a noite, com o resultado da eleição, teremos um novo presidente ou uma presidente reeleita. Eles vão esquecer os ataques, os achincalhes, as provocações. No governo ou na oposição, PSDB e PT vão governar o Brasil. Estarão no poder e distantes do eleitor, do cidadão, como sempre estiveram depois que as urnas fecham.

Dilma Rousseff e Aécio Neves têm qualidades e defeitos, como qualquer político. Se hoje os dois só enxergam defeitos um do outro, há pouco tempo, é bom lembrar, trocavam elogios.

Somos livres para votar, para escolher. Permitam então que o brasileiro exerça sua liberdade, que vote com consciência e que escolha as melhores propostas.

É hora de deixar de lado esse ódio bobo que cega a maioria. Vivemos num país em que  é possível ver juntos, num mesmo ambiente, umbandistas, espíritas, católicos e evangélicos convivendo com respeito.

Vai votar no Aécio? Vai votar na Dilma? E daí? É um direito, uma escolha que tem que ser respeitada por todos nós, até porque no dia 27 de outubro, ganhe quem ganhar, vamos continuar juntos, convivendo com nossas famílias, nossos amigos, no trabalho, na escola ou na rua.

E quem olhar para trás vai ver que tudo não passou de mais uma boa trama montada por marqueteiros que mais uma vez “enganaram o bobo na casca do ovo”.

Nem sempre foi assim

O texto a seguir é do Blog Radar Político, publicado, nesta quint, 16:

Os confrontos estão cada vez mais acirrados entre os candidatos Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) desde que eles foram escolhidos para a disputa do 2º turno das eleições presidenciais. Mas nem sempre foi assim, confira abaixo elogios que ambos trocaram no decorrer da vida política

Reprodução do  Blog Radar Político, do Estadão SP

Reprodução do Blog Radar Político, do Estadão SP

 

 

COMENTÁRIOS
3

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Mastson

    Excelente texto! Penso que o brasileiro de uma forma geral deveria se comportar dentro da ótica defendida no texto.

    “Está na hora do eleitor cobrar propostas e compromissos”
    Edivaldo Júnior

  2. Alexandre

    É muito claro, que o nordeste foi esquecido por décadas, só no governo PT recebeu valorização, a economia de Alagoas é alavancada com recursos de programas sociais, credito facilitado para as classes mais pobres, com isso é claro onde tem mais pobreza recebe mais, consequentemente nosso estado foi muito beneficiado, na verdade temos que realmente admitir fomos nós mesmos nordestino que declaramos o nordeste é DILMA, e não existe negócio de ódio não, quem discriminou nordestinos foi o povo do sudeste e sul, ou você (blogueiro) é sego.

  3. jose antonio dos santos

    Está existindo um movimento dos prefeitos, liderado pelo presidente da AMA alegando uma grave crise financeira nas prefeituras, e por que eles não renunciam, entregam seus cargos aos vice.

Comments are closed.