Alagoas perde financiamento de R$ 2 bilhões do estaleiro ‘Eisa’
   21 de outubro de 2014   │     19:28  │  8

O atraso na liberação da Licença de Instalação (LI) do Ibama (Instituto Brasileiro dos Recursos Naturais Renováveis), que só saiu em agosto deste ano, quase cinco depois de anunciado o projeto, pode inviabilizar a construção do Estaleiro do Nordeste (Enor), antigo Eisa Alagoas, no povoado Miaí de Cima, em Coruripe.

Em entrevista ao semanário Extra Alagoas o presidente do Grupo Synergy, German Efromovich, controlador do projeto, confirmou que a construção do estaleiro, no povoado Miaí de Cima, em Coruripe, depende, agora, de mais um complicador: a renovação de autorização do financiamento de R$ 2,2 bilhões pelo Fundo da Marinha Mercante.

O financiamento já foi autorizado três vezes, mas o processo nunca foi adiante porque dependia da licença do Ibama. A última autorização do financiamento, feita em setembro de 2013, perdeu validade  há cerca de um mês.

De acordo com o próprio Efromovich, o financiamento foi suspenso por pela demora no início das obras, que pelas regras do FMM deveriam ter começado até um ano depois da aprovação.

Mesmo que um novo financiamento seja aprovado, o que deve levar alguns meses, o Grupo Synergy, que controla o Enor, ainda terá que levantar o dinheiro em bancos, numa operação complexa porque o Estaleiro Eisa, com sede no Rio de Janeiro, que também é de propriedade de German, enfrenta dificuldades financeiras.

O cancelamento foi decidido em reunião do Conselho Diretor do FMM, de 24 de setembro. Segundo Germán Efromovich, esse cancelamento ainda pode ser revertido.

 

Esse ano não

O governador Teotonio Vilela Filho disse que não acredita mais na renovação do financiamento este ano. “Esta é uma tarefa que ficará para o próximo governo. Eu consegui três vezes a autorização e o próximo governador não terá dificuldades em conseguir a aprovação do financiamento”, aponta.

No dia 15 de setembro German esteve em Alagoas e se reuniu com Teotonio Vilela Filho para tratar de pendências relacionadas ao projeto. Uma delas é a desapropriação da área. A outra é a do financiamento.

Com o fim do governo se aproximando, o governador acredita que poderá fazer pouco pelo projeto, mas avisa que pediu a Aécio Neves, caso eleito, prioridade para o estaleiro em Alagoas: “o Aécio me disse que se for eleito o estaleiro está assegurado, entre outros compromissos que assumiu com Alagoas”, aponta.

O governador Teotonio Vilela Filho chegou a assumir, durante a campanha, em setembro, um tom mais crítico e disse que o estaleiro não saiu por falta de interesse do governo federal: “saiu o de Pernambuco, construindo numa área de manguezal e o da Bahia, construído numa área de proteção ambiental. Só não saiu o de Alagoas porque faltou interesse”.

German, Teo e Julio em encontro "casual" em Maceió, no dia 15 de setembro de 2014

German, Teo e Julio em encontro “casual” em Maceió, no dia 15 de setembro de 2014

COMENTÁRIOS
8

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Marcelo

    Culpar o IBAMA pelo provável arquivamento do Estaleiro em Coruripe é responsabilizar o sofá pecador pela incompetência dos responsáveis da empresa, que entregaram inicialmente um Estudo de Impacto Ambiental pífio e repleto de inconsistências.
    Da mesma forma,não se pode atribuir ao IBAMA o fato do Grupo Synergy estar enfrentando grave crise financeira e o Estaleiro EISA no RJ estar parado por dívidas trabalhistas.
    Por fim, o que o IBAMA fez foi apenas cumprir com a sua missão, apontando um local mais adequado e com menos impactos ambientais para o Projeto, o resto são desculpas esfarrapadas de incompetentes ou mal intencionados.

  2. Paulo Soares Damasceno

    Infelizmente é assim que funciona a política, enche o povo de expectativa de novos empregos e desenvolvimento para o estado, depois a burocracia acaba com tudo (de propósito), porque era tudo armação!

  3. Há lagoas

    Agradecemos ao Ibama, PT e Dilma.
    É o governo federal fazendo a diferença na “industrialização” de Alagoas!

  4. jose antonio dos santos

    Empresário quebrado e querendo financiamento de dinheiro público para seu empreendimento. Aí pode ter estabrás para os politicos!.

  5. Interiorano

    Há uns 2 anos atrás, eu comentei que esse estaleiro não vai ser construído nunca em Alagoas! E não é pessimismo não! Até agora, a coisa não andou quase nada! De 1 a 10, em termos de como está a evolução de análise/projeto/licença/construção, eu daria nota 2!

  6. Jorge Henrique lindo dos santos

    Boa noite amigo edivaldo;esse mesmo problema ocorre no polo industrial de marechal Deodoro no qual a equipe do nosso queridíssimo governador fez diversas lambança na desapropriação,na verdade ela nunca existiu e hj esses mesmos deixaram em maus lençóis empresas como a portobello de cerâmica ea zumbi de cimento.existem lá diversas irregularidades causadas pelo nosso governador e sua equipe comandada até tão pelo seu super secretário Luis Otávio,tudo ali hj se encontra sob Júdice e para nós alagoanos e uma verdadeira vergonha!acesse o site do tj e lá vcs da gazeta verão os processos q corren deixados pela equipe do nosso governador teotonio vilela e sua equipe.

Comments are closed.