Renan Filho avisa que fará governo sem revanchismo ou perseguições
   22 de outubro de 2014   │     20:16  │  0

Eleito governador mais jovem da história recente de Alagoas Renan Filho (PMDB) assume o comando do estado no dia 1º de janeiro com o peso da responsabilidade nos ombros e demonstrando, até o momento, conhecimento e maturidade próprios de políticos com maior quilometragem.

Discreto na comemoração da sua vitória, já no primeiro turno, Renan Filho evitou qualquer gesto que pudesse ser confundido com soberba ou arrogância em relação a seus adversários, especialmente Benedito de Lira (PP).

Na semana passada, Renan Filho encontrou o governador Teotonio Vilela Filho. Os dois conversaram por mais de duas horas. Foi um papo de amenidades, de aproximação.

A visita “vazou” através de um blog local a partir de informação de pessoas ligadas a Vilela, até porque Renan Filho tem sido discreto em relação, inclusive ao processo de transição.

“Foi um papo leve. Falamos de tudo, mas não tratamos da transição”, me disse Teotonio Vilela Filho. “O Renan Filho parece muito preparado. Ele me surpreendeu. Ele tem estudado muito Alagoas e está preparado para falar de qualquer tema de interesse do estado. Vamos ver como ele vai se sair, mas eu torço muito para que ele consiga avançar mais”, reforçou o governador.

A Vilela Renan Filho disse que não fará um governo de revanchismo. “O que o governador eleito espera é que a transição seja tranquila, que todos os dados estejam corretos. Não existe a menor disposição de perseguir ninguém do atual governo ou nenhum adversário. Serão realizadas fiscalizações e investigações de rotina”, me disse um influente interlocutor do futuro governo.

Renan Filho está preparado, reforça esse interlocutor, para fazer um governo de conciliação, de entendimento: “algumas pessoas tem medo de que o novo governo vá perseguir adversários. Isso não vai existir. Vamos fazer um  governo para resolver os velhos problemas e não para criar novos problemas”, reforçou.