Corrupção na Petrobras pode inviabilizar estaleiro em Alagoas
   18 de novembro de 2014   │     21:47  │  5

À medida que as investigações da operação Lava Jato avançam, o sonho de ver Alagoas entrar na “onda” da indústria naval fica mais distante. O projeto de construção do Estaleiro  do Nordeste – o “Eisa” – previsto para Coruripe tende a naufragar. Literalmente.

Depois de cinco anos de espera, a licença de implantação do Ibama saiu no começo de setembro passado. Mas saiu, aparentemente, tarde.

Para viabilizar o projeto o empreendedor (German Efromovich, presidente do Grupo Synergy) precisaria aprovar novamente um empréstimo de mais de R$ 2 bilhões no Fundo de  Marinha Mercante. A autorização para a operação financeira, renovada pela terceira vez, venceu justamente em setembro, poucos dias depois da  concessão da licença.

Além de encarar o FMM, o Synergy ainda vai precisar convencer o governo  de Alagoas a desapropriar a área de cerca de 220 hectares em Miaí de Cima, Coruripe, que implica – afora pendengas judiciais  – num desembolso imediato de R$ 12 milhões. Téo Vilela já avisou que só desapropriaria se  o Fundo aprovasse novamente o empréstimo, o que só deve ocorrer, se  ocorrer, dentro de três ou quatro meses.

O mais grave, no entanto, é a crise no setor petrolífero, em função da operação Lava jato. A indústria naval no Brasil é lastreada, quase unicamente, nos recursos e encomendas da Petrobras. Com a crise na estatal, vários estaleiros estão parando no Brasil. Nesse cenário, financiar uma nova indústria beira o impossível.

“Falar em crise da Petrobras dentro de qualquer estaleiro nacional é como falar em corda em casa de enforcado”, resume o deputado federal João Caldas, SD, que trouxe o projeto do estaleiro para Alagoas: “infelizmente Alagoas perdeu essa oportunidade. Vários anos foram jogados fora,  por falta de união dos nossos políticos”, reclama.

Esperança

Caldas diz que apesar do cenário desfavorável tudo pode mudar. “Essa crise pode ter um lado bom. Livre da corrupção, a Petrobras deve sair fortalecida. Vai levar um tempo, mas a estatal deve se recuperar e voltar a investir no setor naval. Além disso, o projeto do estaleiro de Alagoas  é moderno e interessa a grandes grupos internacionais. É preciso que o projeto seja repensado, reavaliado. Será uma jornada dura, mas o caminho está aberto”, aponta.

COMENTÁRIOS
5

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. josiana sena

    NOS ALAGOANOS NAO POSSAMOS DEIXAR ISSO DE MAO GENTE OS MESMOS DIREITOS DE OUTROS ESTADOS TEMOS O NOSSO ESTA E A HORA DE COBRA TODO O COMPREMETIDO EM PROPOSTAS VAMOS PRA RUA QUE FACA QUALQUER COISA MAS PRECISAMOS DE RESPOSTA JA. AFINAL FORAM ANOS DE ESPERANCA E ESTA NAO PODEMOS DEIXAR MORRER.

  2. Há Lagoas

    A quem devemos agradecer por toda essa postergação?
    São vários indicativos:
    Politicagem do Ibama,
    Desunião de nossa classe política,
    E por fim, ao governo do PT.
    Adeus estaleiro…

  3. luiz paulo sodré

    As eleições já passaram,não precisa mais enganar o povo,esse estaleiro já morreu faz tempo desde que os maus alagoanos que você conhece e aquele que anunciou a liberação da licença em plena campanha,sabem que Alagoas foi tremendamente prejudicada por esses indivíduos,portanto não pense que somos imbecis,e pare com essa desculpa esfarrapada.

  4. Alex

    Ao contrário, o estaleiro sairá mais vigorado. Pois tá na cara que toda direção da Petrobrás será presa, e Dilma junto com o Lula serão presos com certeza.

    Dilma será cassada, e o novo presidente que substituí-la, mudará toda a direção da Petrobrás, e fazendo os investimentos crescer sem nenhuma corrupção.

Comments are closed.