Teo e Renan Filho aparam arestas em conversa ‘olho no olho’
   23 de novembro de 2014   │     20:23  │  2

Na quinta-feira 20 de novembro, o movimento foi intenso no Palácio dos Palmares, apesar das comemorações do Dia da Consciência Negra, que resultou no fechamento da maioria dos órgãos públicos estaduais.

Depois de várias reuniões com participação de assessores o governador Teotonio Vilela Filho e seu sucessor, o governador eleito Renan Filho, ficaram a sós e tiveram uma longa conversa.

Os dois aproveitaram o encontro para “aparar as arestas” e afinar o discurso sobre a transição. O diálogo foi franco, do tipo olho no olho, mas em tom ameno.

Renan Filho disse a Téo Vilela que considera melhor pontuar algumas questões agora do que depois, quando assumir o governo, até para evitar ressentimentos futuros, quando o atual governador não terá a mesma oportunidade para expressar seu ponto de vista.

O governador eleito falou de temas abordados na transição que “vazaram” para a imprensa e que aparentemente incomodaram a equipe do atual governo. É o caso, por exemplo, do aluguel de  R$ 1 milhão que a Educação paga para manter um almoxarifado ou do uso de recursos do Proinveste para a recuperação de rodovias.

Outro tema abordado na conversa entre os dois governadores foi a realização de auditorias no estado. Renan Filho disse a Vilela que a ação não será contra o atual governador, mas um ato necessário, considerando o tamanho do Estado. Até porque, como costuma argumentar, erros encontrados no governo atualmente são praticados, aparentemente, sem o conhecimento prévio do atual governador.

Além de fazer auditoria na folha de pessoal, o governador eleito vai auditar os principais contratos do estado, especialmente os que foram realizados nos últimos dois anos. A decisão leva em conta que

A conversa que durou algumas horas serviu para aproximar ainda mais Renan Filho e Teotonio Vilela Filho.O clima entre os dois continua, é importante que se diga, excelente e deve continuar assim até o começo do próximo governo.

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Marco Carvalho

    Prezado Jornalista Edivaldo Júnior.

    Já se passaram 10 meses, da decretação da falência da Laginha e consequentemente da administração da mesma pelos “capacitados” gestores. Assumiram a massa falida com mais de 21 milhões em caixa, demitiram 720 pessoas, incluindo o pessoal do escritório central, e mesmo com dinheiro em caixa e com a garantia do artigo 84 da lei de falência que trata acerca dos credores extra-concursais (no caso os funcionários demitidos pós falência), não pagaram nada a eles. E os valores de todos os direitos desses demitidos não chegam a metade do valor do saldo em conta da massa no momento das demissões.

    Segue trecho da lei.

    Art. 84. Serão considerados créditos extraconcursais e serão pagos com precedência sobre os mencionados no art. 83 desta Lei, na ordem a seguir, os relativos a:

    I – remunerações devidas ao administrador judicial e seus auxiliares, e créditos derivados da legislação do trabalho ou decorrentes de acidentes de trabalho relativos a serviços prestados após a decretação da falência;

    II – quantias fornecidas à massa pelos credores;

    III – despesas com arrecadação, administração, realização do ativo e distribuição do seu produto, bem como custas do processo de falência;

    IV – custas judiciais relativas às ações e execuções em que a massa falida tenha sido vencida;

    O que quero enfatizar é que eles até hoje quase 10 meses de “administração”, ainda não fizeram nenhum pagamento aos demitidos. Eles tem demitidos funcionários no ultimo dia do mês trabalhado e mandam retirar da folha de pagamento esses funcionários, deixando o valor do mês para ser acrescido ao valor da demissão, valor esse, que não pagaram um centavo ate agora. Gostaria muito que o prezado jornalista, pudesse nos ouvir, para vê o que a mídia pode nos ajudar. São centenas de desempregados e quase todos hoje já sem o seguro desemprego e ainda não conseguiram novos empregos.

    Temos prova da incapacidade deles de estarem na frente da massa falida Laginha.

    1. Edivaldo Júnior Post author

      Tenho todo interesse em ouvi-los. por favor mandem contatos para meu email: [email protected]

Comments are closed.