Juceal pode ser processada por irregularidades na venda da TV AL
   26 de fevereiro de 2015   │     20:56  │  0

O empresário Eugênio Sampaio protocolou, nesta quinta-feira, 26, requerimento administrativo de abertura de sindicância na Junta Comercial de Alagoas.

Depois de avaliar os atos que resultaram a transferência do controle acionário da TV Alagoas, os advogados  de Eugênio chegaram à conclusão de que várias irregularidades foram cometidas no processo, incluindo descumprimento de decisão da Justiça Federal.

“Trata-se de uma diversidade de atos ilegais e por via de consequência nulos, praticados pela Junta Comercial este Estado e obviamente de seus prepostos e suposto corpo técnico, promoveu-se aqui uma verdadeira devassa irregular nos registros contratuais da empresa Sampaio Rádio e Televisão Ltda…Tem-se desde o crime de  desobediência perpetrado em face do descumprimento de ordem judicial, até análises contratuais fraudulentas o que corrobora com um despreparo completo dos profissionais em tela ou de uma organização de pessoas que está a atuar nos porões deste órgão…”, diz trecho do requerimento encaminhado a Corregedoria da Juceal.

Os advogados tiveram dificuldades em protocolar  o documento, até porque as denúncias envolveriam supostamente antigos e atuais gestores do órgão. O que os advogados de Eugênio Sampaio esperam é a correção das irregularidades e a anulação dos atos que consideram ilegais. Se nenhuma providência for adotada dentro do prazo, eles devem recorrer à Justiça.

No requerimento, Eugênio diz que “um ponto absolutamente fundamental é a existência de um bloqueio de quotas determinado pelo juízo da quinta vara federal”. Apesar das cotas permanecem bloqueadas pela Justiça até o momento, a Juceal teria, ainda segundo o requerimento,  registrado “diversos aditivos contratuais com a manipulação de tais quotas indisponíveis judicialmente”.

Veja a reprodução de alguns trechos do requerimento:

 

requerimento juceal1requerimento juceal