Rui Palmeira negocia empréstimos de R$ 600 milhões para investimentos em grandes obras
   17 de março de 2015   │     23:32  │  7

Com ou sem crise, a prefeitura de Maceió deve executar pelo menos dois grandes projetos estruturantes em bairros periféricos da capital até o próximo ano. Os recursos, revela o prefeito Rui Palmeira, em primeira mão para o blog, virão de financiamentos internacionais.

A prefeitura está negociando os empréstimos com o Banco Mundial e o Comitê Andino de Fomento.

São operações, revela o prefeito, de US$ 65 milhões e US$ 70 milhões, respectivamente, totalizando US$ 135 milhões ou R$ 432 milhões pelo câmbio desta terça-feira, 17.

A prefeitura também espera pela liberação demais R$ 176 milhões do PAC Mobilidade. Os recursos, parte convênio com governo federal e parte financiamento, serão liberados ainda este ano: “todos os nossos projetos  foram autorizados e homologados. Estive com o ministro   Gilberto Kassab (Cidades) e ele me assegurou que a presidente Dilma Rousseff garantiu a liberação de todos os recursos do PAC Mobilidade”.

Além disso a prefeitura vai ‘tirar” financiamento de mais R$ 26 milhões. Mas esses recursos – ao contrário  dos demais – serão usados apenas para programas de modernização da máquina administrativa e tributária.

Somou?

São mais de R$ 600 milhões que Rui Palmeira terá para investir entre o final deste ano e 2016. É dinheiro suficiente para o prefeito “arrumar a casa” e para dar um “banho de loja” em Maceió. Entre as “novidades” está uma nova urbanização da orla da Lagoa Mundaú (no trecho entre o Virgem dos Pobres e o riacho do Silva, em Bebedouro) e a urbanização do  litoral norte da capital.

Desafios

Se conseguir acertar a mão na saúde (o prefeito anda satisfeito com o desempenho da secretária Sylvana Medeiros na Pasta), Rui Palmeira chegará com “força” em 2016. Até porque as obras previstas nos financiamentos serão licitadas ainda este ano e alguns trechos ficam prontos antes do final de 2016.

Além disso, o prefeito esperava avançar na urbanização do Vale do Reginaldo e finalmente transformar a favela de Jaraguá num centro de comercialização dos pescadores e num ponto turístico.

Se todas as obras estiverem em execução, o sonho de Cícero Almeida de voltar a prefeitura de Maceió pode virar um ‘pesadelo’.

Claro que tudo ainda está no campo do ‘se’. O prefeito e sua equipe vão precisar acertar o passo e pisar no acelerador para recuperar o terreno perdido.

 

COMENTÁRIOS
7

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Luciano Da Silva

    Sem dúvida não ta fácil para esse grande prefeito rui palmeira pelo seu garante e respeito com a população da nossa grande Maceió tou cm vc rui boa sorte

  2. ALDO

    Não acredito nesse prefeito. Já, já ele termina o mandato e nada faz, só sonhos, sonhos, aliás é por isso que ele tem esse ar de quem acabou de acordar.

  3. LUCAS

    É importante destacar que em 03 anos ele ainda não disse pra que veio. Quanto a saúde, não consigo entender o grau de satisfação com a atual secretária que permite em sua gestão que falte o básico para os pacientes . Acredito que ele esteja confundindo as reformas atrasadas que vai passar 03 anos para entregar ( com leve mão de tinta), com saúde pública. Ou , o corte de 30% feito recentemente, greve dos servidores há um mês, cora continua o caos de sempre, isso é satisfação? Rui Palmeira continua falando como em campanha ( milhões e milhões e milhões ) e nada de concreto!

  4. Ricardo Albuquerque

    Grande Edivaldo, sou leitor assíduo de seu blog, pois na minha humilde opinião, um dos melhores jornalistas de nosso estado. Gostaria de sugerir calma com futuras especulações no tocante ao futuro da política, principalmente acerca do executivo municipal. Não esquecendo áreas como a saúde, totalmente abandonada em nosso município, escassez de médicos, dentistas, materiais, postos “faz de conta”, entre outros; educação, onde se tentou “injetar” pessoas para o cargo de professor ao invés de realizar concurso público; na área do trânsito, na qual o gestor tenta terceirizar o cargo de agentes de fiscalização a todo custo, e ainda mais grave do que a área da educação, pois existem aprovados do último concurso da smtt aguardando a nomeação. Não esquecendo de ressaltar no que tange os servidores públicos municipais, nos quais lutam desde o ano passado por melhorias de salário e condições dignas de labor.
    É preciso muita calma.
    Forte abraço !

Comments are closed.