Oposição ao governo ganha ‘cabeça e corpo’ no Legislativo
   19 de março de 2015   │     21:22  │  1

Não será um ‘mar de rosas’ como se imaginava a relação entre o Palácio dos Palmares e a Casa de Tavares Bastos. No começo da atual legislatura, há pouco mais de um mês, se imaginava que Renan Filho teria apoio de 22 ou 23 do total de 27 deputados.

Efetivamente, o que Renan Filho tem, hoje, é uma bancada de 16 ou 17 deputados. O governador ainda não enfrenta oposição aberta, mas “resistências” crescentes em sua base aliada.

Quem encabeça o ‘movimento de resistência’ é o deputado estadual Marcelo Victor, do PROS. Ele mostrou força ao disputar a 4ª Secretaria da Mesa Diretora, em eleição realizada na terça-feira, 17.

Com 10 votos – nove além do seu – MV perdeu a disputa para Jairzinho Lira, num resultado previsível. Ele sabia que iria perder, mas ao disputar mostrou o tamanho dos insatisfeitos com o novo governo. A bancada de Renan Filho em tese é de 17 deputados ou 63%  do total. Não é suficiente para aprovar projetos que existem dois terços.

Quem estaria no grupo de MV, além dele próprio? Não é difícil adivinhar. Nos bastidores são “sussurrados” nomes como de Ricardo Nezinho, Dudu Holanda, Davi Davino, Antonio Albuquerque e Sérgio Toledo.

Nada que se prove ou comprove. Nada. Mas pesaria na “resistência” e “insatisfação” dos deputados, mesmo aqueles que são governistas, o “estilo” da nova mesa diretora, que tem trabalhado para manter a cana na legalidade.

A queda de braço só está começando. Mas, cá para nós, Renan Filho não pode perder apoio de mais ninguém. Do contrário, o governo terá dificuldades para aprovar projetos no Legislativo.

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Professora

    Um governo que se fecha à população, que mais o quê?
    Recebeu SINTEAL em 06 de janeiro.De lá pra cá só o silêncio os une.Não convoca reservas técnicas.(Promessas de campanha); Não convoca educação para discutir o resíduo da isonomia, que inclusive, teve sua primeira vitória jurídica, mas o Estado recorreu.Isola-se do povo e contraria os “vícios” dos deputados de colocarem à frentes das coordenadorias seus pupilos amados;deixa que um vice-governador truculento seja gestor da maior pasta de um Estado(importância);Varre de modo inclemente técnicos capacitados da SEE e coloca pessoas sem a menor experiência nos programas do governo…Enfim, destroça o que já não estava a contento.Assim fica difícil, governador!

Comments are closed.