Grupo dos 10 na ALE se divide entre governo e oposição a Renan Filho
   20 de março de 2015   │     21:00  │  0

Está claro que existe, hoje, uma ‘divisão’ na Assembleia Legislativa. O chamado grupo dos 10, que tem entre seus líderes o deputado estadual Marcelo Victor, do PROS, se revelou publicamente na eleição para a quarta Secretaria da Mesa Diretora, realizada na terça-feira, 17.

Com boa musculatura, o grupo parece marcar posição, ao menos num primeiro momento, em relação a atual mesa diretora da Casa, sob o comando de Luiz Dantas (PDMB).

Se existe divergência em relação a gestão do Legislativo, os integrantes do grupo não fecharam posição em relação ao governador Renan Filho, também do PMDB.

Em texto desta quinta-feira, citei nomes que são “sussurrados” nos bastidores, como integrantes do grupo de MV. Entre eles Ricardo Nezinho, Dudu Holanda, Davi Davino, Antonio Albuquerque e Sérgio Toledo. Eles teriam  ido contra a orientação da mesa diretora.

Até aí tudo. Mas isso não quer dizer necessariamente que esses deputados estão todos dispostos a ir para o enfrentamento também com o governo de Renan Filho, que tem fortes laços com a mesa diretora.

A “oposição” ao governo – diferente do grupo divergente da mesa – não mostrou seu tamanho. Projetos de interesse do Palácio dos Palmares, a exemplo do Orçamento e do Passe Livre – foram aprovados por “unanimidade”. Mas foi uma unanimidade aparente.

Durante a tramitação do Orçamento, houve tentativas de alguns parlamentares para “embaçar” a aprovação do projeto tal e qual queria o governo. Na hora de votar, ninguém quis medir forças com governo.

A pergunta que se faz é até quando a “oposição” e os “insatisfeitos” vão continuar na “unanimidade”?

Sem cargos no governo, sem espaço na mesa diretora, o grupo dos dez vai dar trabalho. E a conta pode sobrar sim para Renan Filho. Resta saber, agora, quantos deputados vão para a oposição declarada ao governador.

Sérgio Toledo

Recebi da assessoria de Sérgio Toledo, esclarecimento sobre a posição do deputado. Ele assumiu um compromisso com a mesa diretora, mas  depois do afastamento de Ricardo Nezinho prometeu o voto a Marcelo Victor para o cargo de 4° secretário e cumpriu a palavra.

A posição de Sérgio em relação a mesa da Assembleia não interfere, no entanto,  na sua posição junto ao governo – compromisso que vem sendo mantido desde a eleição quando o Sérgio o apoiou no inicio da campanha.

“Sérgio Toledo se mantém aliado do governo”, garante a assessoria.