Téo deixou a dívida, mas não deixou dinheiro dos Restos a pagar
   8 de abril de 2015   │     23:05  │  0

Seguindo a velha premissa do “devo não nego, mas pago quando puder”, o estado começa a quitar na próxima semana os Restos a Pagar Processados.

A “fatura” de R$ 50,5 milhões começa a ser paga, na próxima semana. Na frente da “fila” de 1,2 mil fornecedores, estão as micro e pequenas empresas.

E porque só agora, depois de mais de três meses, o governo autorizou o pagamento? Não foi por falta de vontade. “Faltou dinheiro”, resume um importante servidor que atualmente trabalha no Palácio dos Palmares.

Este importante servidor lembrou que Renan Filho herdou um “pendura” de mais de R$ 250 milhões da gestão anterior, incluindo dívidas com pessoal, empréstimos consignados e restos a pagar e somente R$ 26 milhões em caixa: “o dinheiro que o Téo disse que deixou só deu para pagar 10% dos débitos que encontramos”.

A ordem é pagar em dia

Renan Filho não quer entrar mais nesse imbróglio do que Téo Vilela deixou ou  não deixou. Mas ele já avisou a seus sets que a determinação do governo, na sua gestão, é pagar tudo rigorosamente em dia.

Para isso, explica um assessor, é preciso arrumar a casa primeiro: “o governo está renegociando contratos, reduzindo gastos e verificando todos os processos. A fase de ajustes está no fim e a partir de agora todos os pagamentos serão normalizados, incluindo os restos a pagar que já tem um cronograma de pagamento”, aponta.

O governador –anote aí – trabalha  para repetir o comportamento que adotou em Murici, quando foi prefeito. Ele deixou a prefeitura sem nenhum débito.

Como será

A Sefaz distribui texto explicando como será o pagamento dos restos a pagar. Veja: “A partir de agora, os órgãos da administração direta e indireta precisam enviar para a Sefaz as respectivas solicitações dos restos a pagar processados, especificando valores e credores, até o dia 13 de abril. De acordo com as solicitações dos titulares da pasta, a Sefaz promoverá os repasses necessários às quitações.

Os pagamentos de valores até R$ 50.000,00 serão realizados de maneira descentralizada pelas pastas estaduais, a partir do repasse dos recursos solicitados. Já os pagamentos dos valores acima deste limite serão efetuados pela Sefaz em até oito parcelas mensais de igual valor, com vencimentos a partir do dia 29 de maio e as demais no último dia útil dos meses subsequentes. As parcelas terão valor mínimo de R$ 50.000,00”.

Veja  aqui o texto completo: http://apl03.sefaz.al.gov.br/noticias/index.php?id=3110&idcat=13