Juceal admite erros no contrato de venda da TV Alagoas
   26 de abril de 2015   │     17:08  │  2

O processo de transferência do controle do controle acionário da TV Alagoas (Sampaio Rádio e Televisão LTDA) para a Canadá Investimentos (Hapvida) ganha novas “emoções” jurídicas. Isso porque a Junta Comercial de Alagoas reconhece que cometeu “erros materiais especificamente na divisão de cotas de capital da empresa” e erros materiais “nas alterações registradas em 8 outubro de 2014”.

O reconhecimento dos “erros”, através de ofício da Juceal encaminhado ao empresário Eugênio Sampaio, datado d dia 9 de abril passado, veio a partir de requerimento protocolado  pelo empresário Eugênio Sampaio, como registrei aqui (http://wp.me/p2Awck-2pa).

Eugênio, que era (ou é) representante legal da empresa contestou a transferência da TV Alagoas para a Canadá Investimentos, a partir de negociação feita por sua irmã, Patrícia Sampaio e outros sócios.

Apesar das diversas tentativas de entendimento entre as partes envolvidas, o processo continua tramitando na Junta Comercial de Alagoas e na Justiça de Alagoas.

De acordo com advogados de Eugênio, serão movidas investigações para apurar se os “erros” foram deliberados ou não e ações para que a Juceal corrija os erros, devolvendo a ele (Eugênio) a representação legal da empresa.

O imbróglio

Registrei aqui (http://wp.me/p2Awck-2p4) em primeira mão, no dia 25 de fevereiro passado, que a transferência do controle acionário da TV Alagoas (Sampaio Rádio e Televisão LTDA) para a empresa Canadá Investimentos (Hapvida) deveria se transformar em uma longa batalha jurídica e administrativa. De fato.

Quando se imaginava que o negócio estava pacificado, “novos episódios” começam a vir a tona. O controle acionário da TV Alagoas também é alvo de processo na que tramita na 7ª Vara Cível da Capital.

O desfecho

Um dos representantes de Eugênio Sampaio adianta que o processo só será encerrado com a devolução da empresa a “seus legítimos donos” e pede providências ao governador Renan Filho para que a Juceal seja investigada: “é importante deixar claro que Eugênio e seu irmão George não querem vender a empresa, nem deixar de trabalhar na TV. Outro fato é que a Juceal precisa vir a público reconhecer todos os erros cometidos no processo, do contrário terá sua credibilidade abalada. Essa é uma questão que deve ser acompanhada pelo governador”, recomenda.

Veja os documentos

Oficio n 250 de 2015 da JUCEAL p Eugenio

Oficio n 250 de 2015 da JUCEAL p Eugenio 2

pedido de reconsidera jucealoficio juceal1oficio juceal

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Carlos Augusto Santos

    Esse história só vem a nos mostrar uma reflexão: Quando se envolve dinheiro e bens materiais, o amor entre irmãos é esquecido. O triste é saber que o pai dessas criaturas tantos os amou e foi mãe e pai ao mesmo tempo. O triste é ver que ele se esforçou para criar uma empresa, que era seu principal orgulho enquanto empresário, e um grupo de herdeiros não têm a mínima consideração pela sua memória. Dr. Geraldo Sampaio lutou tanto e colocou os filhos em primeiro lugar. Agora, com a sua morte, uns lutam para manter o seu legado e, outros, sem nenhum constrangimento, aniquilam o que ele deixou e tanto se esforçou para construir….Eugênio e George lutem para resgatar a empresa criada pelo pai de vcs, mas não apenas para reaver o controle acionário, e sim para fortalecer a TV Alagoas, que tantas contribuições trouxe ao povo alagoano. TV Alagoas: Mais Alagoas na nossa TV.

  2. ricardo mendes

    À parte a nota acima, comento neste espaço de forma diversa, pela importância do assunto: em nota na sua coluna você diz que “será publicado na próxima terça-feira o QDD (quadro de detalhamento de despesas) do Estado. Com isso, o governo deve voltar a pagar, regularmente, os fornecedores e prestadores de serviço do Estado”. Infelizmente, o quadro atual destes pequenos negociantes é de aperto, muito aperto. São quatro meses sendo penalizados pequenos empresários, na maioria aqui de Alagoas, por esta política de contenção do Governo Renan Filho. Fazer economia assim é fácil, sem olhar para os mais fracos, pisando-os, atropelando-os. Muitos deles que acreditaram que a mudança que viria era a que eles queriam. Mudou, sim, para pior. Pelo menos em relação a eles.

Comments are closed.