Assembleia vai passar ‘pente fino’ na folha de pessoal
   19 de maio de 2015   │     17:12  │  0

A Assembleia Legislativa de Alagoas paga um dos maiores salários do setor público do estado a seus servidores – efetivos e comissionados.

O tamanho da folha do Legislativo foi revelado aqui, em primeira mão. Era, em fevereiro (valor bruto) de R$ 12,7 milhões para um efetivo, naquele mês, de 758 servidores efetivos, 468 aposentados e pensionistas e 515 comissionados.

É importante explicar que o número de cargos comissionados é variável. Cada deputado tem o direito de contratar o mínimo de 5 e o máximo de 25 assessores, com salários que vão de R$ 1 mil a R$ 8 mil. Esses salários podem dobrar com a GDE, a gratificação de desempenho.

Na situação de fevereiro, o valor médio pago as servidores, considerando esses dados, foi de R$ 7,3 mil (valor bruto) – o dobro da média salarial dos servidores do Executivo, por exemplo.

É claro que a ‘distribuição’ do bolo não é das mais justas. Assim como no Executivo e no Judiciário, existe uma ‘casta’ de privilegiados que ganham salários maiores,  acima de R$  12 mil, enquanto tem muitos na ‘base da pirâmide’, ganhando menos de R$ 2mil.

A Mesa Diretora da Casa decidiu fazer uma auditoria na folha pessoal para saber se todos os vencimentos estão de acordo com a legislação. O objetivo é passar o pente fino para descobrir de fato se os salários dos servidores efetivos estão de acordo com a legislação ou se tem uma ‘gordurinha’ a mais.

Quem vai fazer a auditoria – e o contrato já está em andamento – é a FGV, a mesma fundação que fez o trabalho de revisão da folha na prefeitura de Maceió. O que se espera, a partir daí, avisa um deputado integrante da Mesa Diretora, é saber corrigir falhas – se houverem – e planejar melhor os gastos com pessoal, para adequar receita e despesa.

“Estamos pagando o INSS integralmente e cumprindo com todas as obrigações legais, o que aumentou muito os gastos indiretos com pessoal a partir dessa nova legislatura”, aponta o deputado.