Após TCE, empresa de SP se ‘oferece’ para fazer coleta de lixo em Maceió
   2 de junho de 2015   │     18:19  │  1

A ‘história’ foi registrada em alguns sites locais: após a decisão do Tribunal de Contas do Estado – que recomendou o cancelamento do contrato das duas empresas que fazem a coleta do lixo em Maceió – uma empresa com sede em São Paulo se ‘ofereceu’ para fazer o serviço.

O Grupo Pioneira, que segundo seu site “tem em seu leque de negócios empresas de serviços de preservação e limpeza do meio ambiente e industrial, tecnologia em comunicação e adestramento de cavalos lusitanos”, protocolou uma proposta para Superintendência Municipal de Limpeza Urbana de Maceió (Slum).

O estranho, segundo o superintendente da Slum, Jackson Pacheco, é que a proposta chegou muito antes do processo de licitação emergencial ser aberto e é aberta com um “conforme vossa solicitação”, texto que deixou o superintendente intrigado: “não solicitamos nada a ninguém”, aponta.

De acordo com Jackson, o processo está na fase inicial, de levantamento de necessidades. “Atendendo a recomendação do TCE deveremos fazer uma licitação emergencial dentro de 90 dias com  validade para seis meses. Nesse prazo faremos uma nova licitação para a coleta do lixo na capital”, aponta.

Jackson diz que vai considerar a proposta do Grupo Pioneira, assim como qualquer outra. Mas todo o processo será feito com base na legislação e na determinação do TCE. “Tudo vai passar antes pela Procuradoria Geral do Município), adianta.

Carro na frente dos bois

A proposta enviada pelo grupo paulista, segundo sites locais, foi protocolada na Slum e no TCE para um período de 60 meses com uma planilha de custos de R$ 414,8 milhões.

A empresa parece se antecipar, antevendo uma “grande oportunidade” em Maceió. Resta saber se tem recebido “estímulos” para isso.

Embora os técnicos da Slum não tenham avaliado toda a planilha enviada pela empresa paulista, já se sabe que o custo proposto é quase 50% maior do que o praticado hoje na coleta de lixo de Maceió (R$ 102 e R$ 110 por tonelada, dependendo do lote).

Conta pode sobrar para o contribuinte

A decisão do TCE deve pesar – e muito – no bolso do contribuinte de Maceió. Isso porque a prefeitura não reajustou a planilha de custos do atual contrato da coleta de lixo, assinado em 2012 (que teria validade por mais dois anos).

O superintendente da SLUM explica que em 2013 a prefeitura fez retenção de 10% dos valores de 2013 e pratica hoje uma planilha de custos da licitação de 2011. “Ao fazer uma nova licitação, não sabemos se os preços atuais serão mantidos. O que temos notado é que as planilhas estão com custo mais alto no momento. Esperamos que ao fazer a contratação emergencial esses preços possam ser mantidos ou reduzidos”, aponta.

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Roberto Souza

    Mas esse prefeito é muito ruim. Caos na saúde, na educação e até o lixo. Estamos entregues aos ratos e baratas.

Comments are closed.