Governo decide dar reajuste diferenciado para servidores do Estado
   10 de junho de 2015   │     3:26  │  3

A proposta de reajuste para o funcionalismo estadual será apresentada, nesta quarta-feira, 10, por pelo menos três secretários.

Com agenda no interior do Estado, o governador Renan Filho não participa da reunião com o movimento unificado dos servidores, que acontece a tarde, no Palácio dos Palmares.

Durante reunião preparatória realizada na noite dessa terça-feira, 9, ficou definido que o secretário de Educação, vice-governador Luciano Barbosa, vai apresentar a proposta para os professores e negociar, separadamente, com o Sinteal.

O secretário da Casa Civil, Fábio Farias, vai negociar com a área de segurança, incluindo militares e Polícia Civil.

Já o secretário de Planejamento e Gestã, Christian Teixeira, vai apresentar a proposta geral para o funcionalismo.

A lógica do governo é tratar cada caso de forma diferente. Os professores, por conta do Fundeb (que destina recursos específicos para a Educação), terão uma proposta de reajuste maior – semelhante ao que ocorreu na prefeitura de Maceió.

Os militares, segundo entendimento de setores do governo, não receberiam o IPCA porque já receberam aumento e janeiro e terão outro aumento em julho. A mesma lógica está sendo “negociada” com a Polícia Civil, que está em greve. O governo acredita que as negociações avançaram e esperam o fim da greve nos próximos dias.

Para o restante do funcionalismo, o governo deve oferecer um índice acima de 3% e abaixo de 6%.

O diálogo com os servidores promete ser franco. O secretário da Fazenda, George Santoro, estará a postos, calculadora na mão, mostrando as contas do Estado.

Em resumo, o que eles vão dizer é que o Estado, por conta da crise nacional, não tem como dar o IPCA de 6,5% para todas as categorias. Além disso, o governo tem a seu favor o argumento da LRF, que apesar de batido, continua muito forte.

Renan Filho estará na região da bacia leiteira, fazendo entrega de sementes a agricultores. Mas quem conhece o governador sabe que ele vai monitorar tudo a distância, segundo após segundo, palavra após palavra.

COMENTÁRIOS
3

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. leoanrdo

    Um reajuste negociado em 2013! que foi renegociado novamente, ele vem dizer que ja foi dado aumento!
    Tenha paciência.

  2. Juliano Cardoso

    Esse governo não concedeu “aumento” algum aos militares. Pelo contrário, descumpriu o reajuste acordado com o governo anterior e os militares concederam um voto de confiança ao governo. Reajuste das perdas salariais com a inflação dos 4 primeiros anos do governo Teo Vilela. Queremos nosso IPCA deste ano e não iremos abdicar desse direito.

  3. soldado saulo

    Quero ver se os presidentes das associações militares vão se curvar novamente a sedução do poder estatal como ocorreu no último mês de fevereiro quando eles, covardemente,foram à assembléia dos militares com o acordo pronto e desrespeitaram a decisão da maioria dos militares ali presentes que votaram pela paralisação.São homens só na certidão de nascimento porque quando de suas atuações à frente das associações agem como cabras de peia que se curvam ao primeiro aceno mais impublicável do governo,pois só eles e Deus sabem o que receberam do governo para fazerem aquela palhaçada de empurrar goela abaixo o parcelamento do parcelamento da nossa reposição.

Comments are closed.