Biu fica com CBTU, Carimbão com a Codevasf e Arthur recusa Eletrobas
   12 de junho de 2015   │     10:57  │  3

A ‘disputa’ por cargos de representação federal em Alagoas está na reta final. Deputados e senadores do estado que fazem parte da base de apoio do governo estão chegando ao consenso, revela o coordenador da bancada, Ronaldo Lessa.

A regra inicial, de manter a distribuição do jeito que está hoje vem, sendo respeitada. Assim deputados e senadores reeleitos mantém cargos que já tinham no estado, independente da troca de legendas nos ministérios em Brasília.

Por conta dessa ‘regra’, o senador Benedito de Lira  (PP) vai manter a CBTU, da mesma forma que Fernando Collor (PTB) indicará o Ibama.

Afastado do governo Dilma Roussef, o senador Renan Calheiros que tinha na sua cota Conab, Ministério da Agricultura (SFA), Infraero, Funasa e Porto de Maceió, já avisou que não vai mais indicar ninguém.

Os deputados JHC (SD) e Pedro Vilela, de oposição, não indicam nada.

Maurício Quintella (PR) mantém sua cota com DNIT e DNOCS. Ronaldo Lessa (PDT) mantém a Superintendência Regional do Trabalho, que já estava na sua cota por conta do PDT.

A Codevasf, que virou alvo de disputa entre os deputados Arthur Lira (PP) e Marx Beltrão (PMDB), vai ficar mesmo na cota do deputado Givaldo Carimbão (PROS).

Paulão e o PT  juntos tem Correios, INSS, Incra, MDA, Fundação Palmares e Eletrobras Alagoas, mas devem “ceder” ao menos um dos seis cargos para acomodar a base. É o caso da Eletrobras, a ‘Ceal’, que foi oferecida a Arthur Lira, mas ele recusou.

Cícero Almeida pediu e deve ficar com Banco do Nordeste.

A cota de Marx e Arthur será definida a partir do “aprofundamento” da discussão e da busca pelo consenso.

Além dos cargos já citados, existem ainda outros para serem decididos, a exemplo da Caixa, Anatel e SPU e, o mais emblemático de todos, o Porto de Maceió. Isso porque se imaginava que o cargo estivesse na cota pessoal do Palácio do Planalto. Não estava.

Depois de consulta ao governo federal, feita em nome da bancada alagoana, Ronaldo Lessa recebeu a informação de que Rosiana Beltrão foi indicada na cota do senador Renan Calheiros. O problema é que ele mandou avisar que não indica mais ninguém.

Ainda assim, a princípio a decisão é manter Rosiana Beltrão no comando do Porto. “Não vamos mudar uma indicação do presidente do Senado”, aponta Lessa. Já Carimbão defende que sejam mantidos todos os cargos de Renan Calheiros em Alagoas. A tese dos dois não deve prevalecer.

Os deputados disputam o Porto que – apesar de pouco provável – pode até ir para a cota de Arthur ou Marx.

Outros cargos do ‘espólio’ de Renan Calheiros já estão sendo redistribuídos. A SFA deve ficar com o governador Renan Filho, enquanto a Conab vai para a cota do PTB.

Depois eu conto mais.

COMENTÁRIOS
3

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Eleitor

    E quem Ta se lixando P essa porcaria de distribuição de cargos hein?
    Vai procurar uma matéria interessante p fazer
    Oxe

  2. Há lagoas

    Senador Biu de Lira, quando vai sair o projeto de expansão do VLT até a Mangabeiras? E o PAC Mobilidade Urbana onde teria o VLT na av. Fernandes Lima, ligando o aeroporto até a praça Centenário?
    Maceió precisa urgente de mobilidade, que tal pressionar o PT enquanto é possível?

  3. Diego

    Agora me diga: quando há alguma votação importante na Câmara, esses parlamentares votam com o governo por questão de consciência e opinião formada sobre o tema ou apenas para manter seus privilégios e a indicação de cargos nos estados de origem?
    Como bem sabemos, todos esses órgãos e cargos em comissão de cada um deles servem de troca de moeda política (não só metaforicamente). São os locais onde os parlamentares vão “encaixar” seus aliados mais próximos e com mais “jogo de cintura” para ser gestor público num órgão federal. Juntamente com o chefe do órgão indicado pelo parlamentar, sempre vem uma fila de apadrinhados que ocupam os cargos em comissão. Estudar pra concurso, que é bom, ninguém quer.
    Por outro lado, quando chega a época eleitoral, onde o parlamentar vai buscar apoio (R$)? Esses órgãos estarão mesmo apenas focados em suas atividadesfim?

Comments are closed.