Servidores vão realizar grande ato público por IPCA e ganho real
   13 de junho de 2015   │     17:34  │  2

As negociações entre governo do estado e servidores públicos serão retomadas na próxima terça-feira, 16, com a temperatura elevada.

Para por mais lenha na fogueira, o  Movimento Unificado está organizando um grande ato público com servidores, que será realizado na Praça Deodoro, em Maceió, na mesma hora em que os líderes sindicais estarão na mesa de negociação, no Palácio dos Palmares.

O ato público será realizado para cobrar a reposição do IPCA e ganho real. Enquanto o governo oferece 4% dividido em 3 parcelas de reajuste salarial para o funcionalismo, os sindicalistas propõem 15%.

A proposta dos servidores, claro, está distante da realidade financeira do estado. Mas ao levantar essa bandeira, eles estão dando um recado de que não vão se contentar com nada menos do que os 6,5% do IPCA.

O governo pode até não chegar a esse percentual, mas já se sabe que a proposta apresentada na terça-feira, vai passar dos 4%.

ato servidores

Versão dos sindicalistas

Veja texto do Sindipol sobre o ato público:

Servidores realizarão grande ato público por IPCA + ganho real nesta terça-feira

A Plenária Estadual dos Servidores Públicos, realizada na sede da Central Única dos Trabalhadores (CUT), decidiu pela realização de grande ato público com concentração na Praça Deodoro, a partir das 10 horas, pelo cumprimento do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – IPCA mais ganho real.

A proposta de 4% parcelado, sendo 1% em junho, 2% em outubro e 1% em dezembro, foi repudiada pelos servidores públicos estaduais presentes na plenária, que ocorreu na tarde da quinta-feira (11). O Movimento Unificado cobra a reposição salarial de 15%, valorização dos serviços públicos, não à privatização e terceirização dos serviços entre outros itens da pauta unificada.

O presidente do Sindpol, Josimar Melo, que participou da plenária, ressalta que o governo tem dinheiro, pois realizou a redução dos cargos de comissionados, reduziu o duodécimo dos poderes e os números de secretário. O sindicalista também reivindica a revogação dos decretos 23.115/2012, 23.116/2012 e 23.117/2012, que isentam os usineiros a pagar imposto no valor de R$ 7 milhões por mês ao Estado.

Além disso, de acordo com as análises financeiras do Estado, realizadas pelo dirigente da CUT Isac Jacson, a arrecadação do Estado no quadrimestre deste ano foi superior a 170 milhões ao ano anterior.

O Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais é composto por: Sinteal, Sindpol, Sinduneal, Sinprev, Sindmesal, Sindagro, Sineal, Sintuneal, Sindapen, Sinsuncisal, Sindspadm, Sindgráficos, AAPC e CUT.

 

Leia aqui o texto na íntegra: http://www.sindpol-al.com.br/2015/06/servidores-realizarao-grande-ato-publico-por-ipca-ganho-real-nesta-terca-feira/

 

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Carlos Cesar

    Agora o negócio é a Lei de Responsabilidade. Outro dia um leitor postou no seu blog, dizendo que o secretário, salvo engano, Christian Teixeira, havia escrito um artigo para o Jornal Gazeta, falando justamente sobre a possibilidade do Estado não ter condições de dar o reajuste, tentando iludir o servidor, e de fato, foi verdade. Procurei o jornal e li a matéria! Foi exatamente o que o rapaz havia postado. O Secretário, de todas as formas, querendo que o servidor escorregasse em seus argumentos ridículos, para não da o reajuste. Mas isso, com certeza, não irá acontecer.

  2. Bruno Oliveira

    Edivaldo, isso não existe. Ele pensa porque o pai dele é o “DONO” do congresso, pode estar acima da LEI, ta redondamente enganado. Se ele não entende, o servidor entende e muito bem. Ele dê o reajuste do IPCA, e depois entre com a medida cabível para REVOGAR A LEI e pronto, não dê mais, acabou. O IPCA é LEI, não é assim, vou dar não e pronto. Porque ele não fez isso no início do seu governo? Não procurou saber através do seu procurador geral, como se fazia para não dar o reajuste? Quem ganha entre RS 4.000,00 a RS 5.000,00, já é um bom reajuste, o cara se programa contando com esse dinheiro.

Comments are closed.