Governo oferece 6% para Educação e avisa: chegamos ao limite
   18 de junho de 2015   │     16:44  │  0

Na terça-feira, 16, o governo melhorou em mais um ponto percentual a proposta de reajuste salarial para todo o funcionalismo. Era 4% em três parcelas e foi para 5%. O novo percentual, que está abaixo da variação do IPCA (6,41%) foi rejeitado de imediato.

Numa espécie de “déja vu”,o governo teve comportamento semelhante na reunião com o Sinteal, para apresentar a nova proposta para os servidores da Educação.

Com participação do secretário Luciano Barbosa a nova proposta para professores de nível superior e demais servidores da SEE (exceto os professores nível médio que foram receberam reajuste de 13,01% por conta da  variação do piso nacional da categoria) foi melhorada em um ponto percentual. A proposta anterior era de 5% em três parcelas e  foi a 6%.

A proposta, assim como ocorreu na reunião com o Movimento Unificado dos Servidores, foi  rejeitada pelo Sinteal.

As negociações continuam. Mas o governo, ao menos por enquanto, avisa que terá dificuldades de apresentar novas propostas: “A gente acredita que chegou a um limite de proposta. Vamos ver o andamento das conversas. A conversa da educação foi boa, A gente avançou em outros temas, além da questão salarial. Foi uma reunião bastante produtiva”, avalia o secretário da Fazenda, George Santoro.

Ele lembra que Alagoas está oferecendo muito mais do que outros estados do Brasil  ofereceram aos servidores: “o Espírito Santo ofereceu zero, Bahia ofereceu quatro em duas vezes. As gente tem de ter a clareza que o Brasil deste ano não é igual ao Brasil de outros anos”.

Com a palavra o governador

Disse aqui e repito: quem vai colocar um ponto final nas negociações é o governador Renan Filho. Nada mais natural. Ao oferecer 5% o Estado já sinalizou que vai encontrar um caminho para “driblar” a LRF.

O governador tem dado sinais de que está pronto para o “enfrentamento” da greve, mas também dá sinais de que prefere evitar o desgaste. Numa decisão pessoal, sabe-se lá a que custo, Renan Filho pode melhorar um pouco mais a proposta para tentar  evitar a greve.

Ele, o governador,   começou as negociações com os servidores ainda no dia 31 de maio. Desde então quem assumiu o diálogo com os servidores foram os secretários Fábio Farias, George Santoro e Christian Teixeira. Juntos eles chegaram aos 5%.  É provável que Renan Filho converse com os servidores e, num último apelo para evitar a paralisação, melhore um pouco a proposta apresentada aos servidores.