5% x 6,41%: impasse continua, mesmo após intermediação do TJ
   23 de julho de 2015   │     21:23  │  2

O resultado foi o esperado. A intermediação do presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas não conseguiu mudar os rumos das negociações salariais entre os representantes do Poder Executivo e lideranças dos servidores.

O impasse continua. A CUT/AL, que representa os servidores nas negociações, não abre mão dos 6,41% do IPCA. O trio de secretários que represam o Executivo na mesa de negociação do Gabinete manteve os 5% –  em caráter irredutível.

A reunião foi realizada na sede do TJ/AL e contou com a participação de dirigentes da CUT/AL, secretários de Estado e desembargadores.

Durante a reunião o presidente do TJ/AL, desembargador Washington Luiz – que se ofereceu para fazer a intermediação – chegou a sugerir que o governo “jogasse” para 2016 os 1,41% que faltam para as  duas partes chegarem ao entendimento.

O diretor da CUT/AL, Izac Jacson, chegou a propor uma espécie de gatilho – em que a diferença de 1,41% seria dada caso a receita do Estado aumentasse acima do previsto.

Segundo a presidente da CUT/AL, Rilda Alves, a negociação não avançou porque o governo manteve a proposta de 5% de reajuste: “Rejeitamos mais uma vez”.

Não houve acordo. Fábio Farias (Gabinete Civil) avisou que ele, assim como os secretários George Santoro (Fazenda) e Christian Teixeira (Planejamento e Gestão) tinha chegado ao limite.   “Não temos condições de oferecer além do que foi oferecido”.

Qualquer decisão diferente, qualquer proposta, avisa Christian Teixeira, será um “ato político do governador”. O secretário diz que não pode correr o risco de propor um reajuste que ameace as finanças públicas: “se amanhã o governo atrasar salários, como já ocorreu no passado por falta de planejamento, o que vão dizer?”, questiona.

Já o desembargador Washington Luiz avisou que vai conversar com o governador Renan Filho sobre as negociações. O TJ/Alagoas deve promover nova reunião com servidores e representantes do governo na próxima semana. Até lá, tudo continua como está.

“Enquanto as negociações continuarem os demais servidores ficam prejudicados. Se já tivesses chegados a um entendimento o projeto de lei do reajuste já teria sido votado e o percentual retroativo a maio (1%), já seria sido implantado nos salários”, aponta Fábio Farias.

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. jesu

    COM TODO ESSE AUMENTO DE 5% EM 3 VESES É MELHOR QUE OS SERVIDORES PAGUE PARA O GOVERNADORZINHO MELHORAR NA ARRECADAÇÃO.
    MUITA PALHAÇADA DESTE ENGOMADINHO ISSO QUE ELE ESTA COLOCANDO PARA OS DEMAIS SERVIDORES, JÁ PARA A POLICIA QUE ELE NÃO TEM MORAL PAGA O QUE ELES QUEREM.

  2. Consigliere Alagoano

    … Risos… { Não dos Servidores, mas os Interlocutores}
    .
    E em 2016, será dito:
    – ARRECADAÇÃO FOI BAIXA;
    – O REAJUSTO DA CATEGORIA “X”, SUFOCOU DESTE ANO;
    – NÃO IREMOS FAZER PELO IPCA ou
    – AGORA, SÓ IREMOS FAZER PELO IPCA; [O IPCA de 2016 é reflexo de 2015, q tende a BAIXAR];
    – OS CORTES DE 2015, NÃO FORAM SUFICIENTES PARA GERAR GORDURA PARA REAJUSTE MAIOR QUE 1% EM 3X;
    – OS NEGOCIADORES, ESTÃO CORTANDO NA PRÓPRIA CARNE ESTE NÚMERO;
    – NÓS NUNCA FALAMOS EM MELHORAR REAJUSTE EM 2016;
    .
    Curioso que se sabia de TUDO isso, não foi feita uma COALIZAÇÃO…
    A CONTA deste AMADORISMO, será cobrada pela ALE em breve.
    .

Comments are closed.