Marx vai manter voto pela redução da maioridade no 2º turno
   23 de julho de 2015   │     16:54  │  0

O deputado federal Marx Beltrão, PMDB/AL vai manter seu voto pela redução da maioridade penal em segundo turno. A PEC 171/93 obteve aprovação em primeiro turno na Câmara com texto “mais brando”. Segundo a matéria, a idade penal será reduzida, de 18 para 16 anos, em casos de crimes hediondos (estupro, sequestro), homicídio doloso e lesão corporal seguida de morte.

O deputado federal do PMDB-AL  avalia que a medida isoladamente não será a solução para os altos índices de criminalidade, mas aumentará a sensação de justiça das vítimas. “Um jovem de 16 anos tem plena consciência do que é certo e do que é errado, por isso votei e votarei a favor da redução”, argumenta.

Versão oficial

Veja texto enviado pela assessoria do deputado

Dep. Marx Beltrão (PMDB-AL) diz que redução da maioridade aumenta efeito da “Justiça”

O deputado federal Marx Beltrão (PMDB-AL) declarou voto que manterá  favorável à redução da maioridade penal em segundo turno. A proposta de emenda à Constituição (PEC) 171/93 obteve aprovação em primeiro turno na Câmara com texto “mais brando”, após polêmica e mobilização.

 Segundo a matéria, a idade penal será reduzida, de 18 para 16 anos, em casos de crimes hediondos (estupro, sequestro), homicídio doloso e lesão corporal seguida de morte.

A votação em segundo turno da PEC, prevista para ocorrer nesta semana, ficará para depois do recesso parlamentar, que termina em 31 de julho. A decisão foi tomada depois de reunião dos líderes partidários.

Marx Beltrão avalia que a medida isoladamente não será a solução para os altos índices de criminalidade, mas aumentará a sensação de justiça das vítimas. “Um jovem de 16 anos tem plena consciência do que é certo e do que é errado, por isso votei e votarei a favor da redução”, argumenta.

O parlamentar ressalta, porém, que os problemas de violência devem ser resolvidos com investimento em educação e atenção básica das famílias. “Não acredito que diminuir a maioridade irá reduzir a violência no país, não vai. Precisamos de mais escolas, universidades, creches, mais investimentos em saúde, inclusão social, precisamos mudar muita coisa”, destaca.