Almeida encara ‘briga’ com PRTB e diz que tem apoio de 9 partidos para disputar prefeitura
   8 de outubro de 2015   │     3:52  │  1

Cícero Almeida rompeu, literalmente, com o PRTB. Agora no PSD, ele sabe que terá de enfrentar uma batalha judicial, para evitar a perda do mandato de deputado federal por infidelidade partidária.

O presidente nacional do PRTB, Levy Fidelix, deve pedir a cassação do mandato do deputado na próxima semana.

E Cícero, como reage? “Estou tranquilo. Sai do PRTB de consciência limpa e tenho certeza que a Justiça estará do meu lado”, reage.

Para Almeida, agora é ‘bola pra frente’. Ele está focado nas eleições de 2016 e avisa que é pré-candidato a prefeito com o apoio de 9 partidos – entre eles o PSD, o PSC e o PRB.
Ele evita, no entanto, revelar as outras legendas. “Você saberá na hora certa”, pondera.

Justa causa

Num documento que apresentou na Câmara dos Deputados para justificar sua saída do PRTB, Almeida explica:

“…a mais atual atitude de discriminação política e pessoal contra o deputado Cícero Almeida, foi consolidada na recente veiculação do programa partidáriodo PRTB em rede nacional de televisão. Como já registrado, como único deputado federal da legenda, nenhuma alusão foi feita sequer que o partido possuía assento na Câmara dos Deputados. nenhum convite, nenhuma citação, deixando bem blaro a existência de um banimento implícito que não tem mais razão de prosseguir”.

E mais: “…o que ocorre é que a cada dia uma intensa perseguição, discriminação e o empenho em destruir minha imagem. Com isso só me restou uma indescritível decepção para com o partido. Sim uma decepção por um partido que o que prática é o desrespeito, o desvio e a negação do programa”.

cicero

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Emerson

    Caro jornalista, não ha fundamento na noticia que associa infidelidade partidaria à uma posterior inexigibilidade. A única punição no caso de caracterizada a infidelidade é a perda do mandato corrente. Seria de bom tom, após o sr verificar a veracidade da minha informação, a correção da matéria. Obrigado.

Comments are closed.