Apoio de RF e LB a candidatos em cidades onde existe ‘racha’ da base só sai em 2016
   9 de outubro de 2015   │     11:09  │  0

Quem é do ramo sabe alguns problemas da política se resolvem por si só, especialmente em se tratando do processo eleitoral antecipado.

Renan Filho e Luciano Barbosa sabem disso melhor do que ninguém e vão usar o tempo para resolver alguns imbróglios eleitorais. Será assim, por exemplo, em Arapiraca e em Delmiro Gouveia, onde a base aliada está “rachada” em várias frentes.

Conversei com o governador e o vice sobre o processo eleitoral. As respostas curtas dizem tudo. “Ainda é cedo”, resume LB sobre o quadro em Arapiraca.

Lá o governo tem, além de Célia Rocha, que vai para a reeleição, o deputado Tarcísio Freire, dois pré-candidatos declarados, além de outros nomes que desejam entrar no jogo.

Em Delmiro Gouveia o ‘imbróglio’ criado em com a pré-candidatura a prefeito de Givaldo Carimbão é maior.

O deputado federal do PROS quer o apoio de Renan Filho para disputar a prefeitura. Na fila também estão outros nomes que tem relação histórica com o governador e com o PMDB. É o caso do vereadores Valdo Sandes e Edvaldo Nascimento e de Padre Eraldo.

A situação se repete em cidades como Marechal Deodoro e Maceió. Na capital, além de Paulão e Cícero Almeida, o atual prefeito, Rui Palmeira, também quer o apoio do governo.

Se apoiar um desses nomes agora, o governador e o vice correm o risco de ganhar desafetos gratuitos.

A “filosofia” do governador é simples, mas eficiente: “a estrada resolve”. Em outras palavras, a decisão fica para 2016, o mais perto possível da eleição.

Ao longo do caminho, alguns problemas deixam de existir, literalmente. No caso de Marechal, a saída de Inácio Loiola da disputa (ele será candidato a prefeito em Piranhas), facilitou o processo e o governo caminha para ter candidato único na cidade.

Nas maiores cidades, as decisões serão tomadas com ajuda de pesquisas eleitorais e da conjuntura eleitoral do momento.

Em Maceió, o governo só lançará candidato se tiver uma boa chance de vitória. Não faltam pretendentes no PMDB. O ex-ministro Vinicius Lages, o ex vice-governador Zé Wanderley e o secretário Mozart Amaral fazem parte de uma espécie de “cadastro de reserva”.

Na capital e em Arapiraca, assim como nas maiores cidades, o governo vai trabalhar para eleger aliados, nem que sejam novos no grupo, assim como acontece com a família Pereira na região da zona da mata sul.

Afora isso, na maioria das outras cidades, a situação já está definida. O governo tem hoje pré-candidatos já escolhidos em cerca de 80 municípios.

É o caso de Santana do Ipanema. Lá o nome de Renan Filho será Isnaldo Bulhões. O ex-conselheiro se filiou ao PMDB e é pré-candidato a prefeito.

No resto, é preciso esperar e ver onde a “estrada” vai chegar.