Com gastos de pessoal de R$ 3,05 bi em 2015, estado baixa limite da LRF para 48,4%
   31 de janeiro de 2016   │     22:18  │  1

O Poder Executivo fechou 2015 baixando os gastos com pessoal, que ficaram, pelo segundo quadrimestre consecutivo, abaixo do limite máximo da Lei de Responsabilidade Fiscal (49%) em relação a Receita Corrente Líquida.

Em agosto de 2015, como antecipei aqui (http://wp.me/p6TEFy-2Vu),  o estado reduziu o os gastos com pessoal para 48,8%. Em dezembro, segundo balanço geral do Estado, publicado no Diário Oficial do dia 28 de janeiro, as despesas líquidas com pessoal, que  chegaram Álvaro Almeida R$ 3,05 bilhões (veja tabela) recuaram para 48,4% da RCL.

O novo percentual mostra que o governo conseguiu controlar melhor os gastos com pessoal, cumprindo recomendações da LRF.

Novos desafios para o cumprimento da LRF

Não será fácil, no entanto, para o governo manter as despesas abaixo do limite máximo da LRF. Isso porque a receita do estado, como reflexo da crise econômica nacional, deve cair em 2016, na comparação com 2015, enquanto as despesas com pessoal já começam o ano maiores.

Somente entre o final de dezembro de 2015 e janeiro 2016, o governo nomeou mais de mil novos servidores na Uncisal e na PM.

Além disso, o governo terá que dar o reajuste de 5% para militares em janeiro e lidar com o reajuste do salário mínimo e do piso nacional de professores, que entraram em vigor em janeiro e tiveram correções acima da inflação.

Em janeiro, dados preliminares apontam para uma queda de 12% no FPE e a repetição da receita de ICMS. A queda real da receita do Estado, no mês, somados todas as fontes, deve passar dos 10%.

RCL chega a R$ 6,3 bilhões em 2015

A Receita Corrente Líquida  em 2015 foi de R$ 6.311.577.936,53. A  apuração do cumprimento do limite legal da LRF foi de R$ 3.059.906.479,83, dentro do  valor limite de alerta.

Veja as tabelas:

lrf dez 2015

rcl 2015

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. José Carlos

    É só reduzir mais com pessoal que não trabalha e principalmente Secretarias inoperantes e cargos comissionados. Pois já tem secretaria com os comissionados em plena campanha eleitoral fazendo cadastros de pessoas na periferia com a desculpa que estão trabalhando em projetos sociais.

Comments are closed.