Renan descarta licença e continua no cenário nacional após deixar presidência do Senado
   20 de novembro de 2016   │     0:28  │  1

A informação da coluna Radar de Veja, reproduzida aqui (http://wp.me/p6TEFy-3Fk) de que o senador Renan Calheiros poderia tirar licença a partir de fevereiro, quando deixa a presidência do Senado, não procede – mesmo.

“Não é momento para ficar fora”, resume o presidente do Senado. O senador está convencido de que o momento nacional não permite que ele se afaste de Brasília: “o Brasil vive um momento muito delicado e não posso me ausentar desse processo”, enfatiza.

Renan Calheiros adianta que só vai tratar da eleição do seu sucessor em janeiro.

E só depois disso vai avaliar o próprio futuro, no exercício do mandato: “não dá para precipitar o processo. A eleição da mesa diretora do Senado é só em 1º de fevereiro. Resolvida esta questão, vou refletir sobre o meu papel”, pondera.

E que que papel o senador pretende desempenhar a partir de 1º de fevereiro?

Renan Calheiros, deixa mais dúvidas do que certezas: “o momento nacional exige uma participação maior, com responsabilidade. Não vou me ausentar, mas só devo avaliar isso após deixar a presidência do Senado”, adianta.

Arrumando a casa

A especulação em torno da licença de Renan Calheiros se deu em função da necessidade que o senador teria de reorganizar suas bases, após as eleições de 2 de outubro.

De fato, quem convive com o senador mais de perto, confirma que ele está preocupado e vai focar sua atuação, pelo menos no período de recesso do Congresso Nacional – que deve ser mas curto este ano – na reorganização de suas bases. Deve fazer isso, no entanto, como sempre fez, com um pé em Brasília e outro em Alagoas.

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. JOSÉ

    A DEGRADAÇÃO MORAL DOS POLITICOS FERE DE MORTE ESSAS FIGURAS CÍNICAS INFESTADAS EM CARGO PÚBLICO.

    NÃO SÃO EXEMPLO PRA NADA.

    O BRASIL PRECISA DE UM CHOQUE A EXEMPLO DO QUE ACONTECEU NOS ESTADOS UNIDOS COM TRHUMP.

Comments are closed.