Sem Rui, oposição pode escolher entre Biu, Téo e Nonô para enfrentar RF em 2018
   18 de julho de 2017   │     19:00  │  0

É fato inegável. O grupo de oposição a Renan Filho (PMDB) que se agrupa em torno do prefeito de Maceió está sem candidato para enfrentar o governador numa eventual reeleição em 2018.

Rui Palmeira – apesar dos esforços do ministro Maurício Quintella – continua dando sinais velados de que não será candidato a nada no próximo ano. E se for, será ao Senado.

Com a saída de Rui Palmeira do páreo, os holofotes se voltaram para Ronaldo Lessa (PDT). Em confidências recentes, o ex-governador disse que foi sondado para a disputa, mas prefere mesmo disputar à reeleição para a Câmara Federal, embora admita avaliar uma disputa ao Senado.

Não será por falta de nomes que o grupo de Rui Palmeira deixará de formar palanque majoritário no próximo ano.

“Temos opções de sobra, nomes bons e preparados para apresentar para o governo”, revela um líder partidário ligado a Rui Palmeira.

Ele cita alguns exemplos: “o senador Benedito de Lira, o ex-governador Téo Vilela e Thomaz Nonô, que já foi vice governador e queria disputar o governo em 2014”, lembra.

Uma eventual guinada de Rodrigo Maia a presidência da república poderia, na avaliação desse líder, dar fôlego a Nonô, que é presidente do DEM em Alagoas, avalia o líder partidário: “estamos trabalhando com esses nomes e também com outras opções. O que posso assegurar é que teremos palanque no próximo ano”, aponta.

Resta saber se os nomes, lembrados agora, terão disposição para o enfrentamento. Benedito de Lira já avisou que pretender ir para a reeleição ao Senado. Téo já disse que se for candidato também será ao Senado. E Nonô, que segue como secretário de Saúde de Maceió, não dá sinais de que pretende disputar nenhum cargo em 2018.